Turistas a mais? Costa diz que não. “Temos de aumentar a intensidade do turismo em Portugal”

O primeiro-ministro espera que Portugal atinja a média da União Europeia, onde o turismo vale 10% do PIB. Costa desmistifica ainda o "excesso" de turistas no país e quer "aumentar a intensidade".

Não só não há turistas a mais em Portugal, como o objetivo é “aumentar a intensidade” deste setor no país para, pelo menos, igualar a média da União Europeia, onde o turismo vale 10% do produto interno bruto (PIB). A ideia foi defendida, esta quinta-feira, por António Costa, que rejeita também que o turismo seja o responsável pela crise na habitação, apelando a que a Assembleia da República aprove a proposta do Governo para a criação de um programa de arrendamento acessível.

O primeiro-ministro falava na abertura da Cimeira do Turismo, que decorre esta quinta-feira em Lisboa, por ocasião do Dia Mundial do Turismo. “Ao contrário da ideia de que há turistas a mais, quero dizer que não há turistas a mais em Portugal. Pelo contrário, temos de aumentar a intensidade do turismo em Portugal”, disse António Costa, salientando que o país ainda está “aquém” daquilo a que pode chegar. “O turismo vale 10% do PIB da União Europeia e, em Portugal, ainda só vale 8%. Temos de, pelo menos, atingir a média europeia“.

António Costa considera, por isso, que é preciso “continuar a trabalhar” o setor. Isto depois de, como lembra, terem sido libertados 280 milhões de euros na linha Qualificar, para apoio a projetos de qualificação no turismo, para além de Portugal ter captado 185 novas rotas e 225 novas operações aéreas.

Ao contrário da ideia de que há turistas a mais, quero dizer que não há turistas a mais em Portugal.

António Costa

Primeiro-ministro

Sobre isto, aproveitou também para o turismo não deve ser evitado para se “evitar” construir um novo aeroporto. “Temos é de corrigir o erro de há dez anos de não se fazer um novo aeroporto. “A opção é, mantendo a Portela, crescermos com um novo aeroporto no Montijo. Muito brevemente, estaremos a concluir as negociações com a ANA“, antecipou.

“Solução não é proibir o turismo”

Neste contexto, o primeiro-ministro frisou que “a solução não é proibir o turismo” para resolver os problemas na habitação. A solução, diz, é criar mais oferta a preços acessíveis, e essa não poderá vir toda do Estado ou dos municípios.

“Tenho muita esperança que a Assembleia da República aprove a proposta do Governo relativa ao arrendamento acessível, que permite reduzir significativamente a taxa liberatória para quem tenha contratos com alguma estabilidade”, afirmou. “Não será suficiente a oferta do Estado e dos municípios para responder a esta necessidade de habitação a preços acessíveis. É, por isso, absolutamente essencial que isto seja aprovado o mais rapidamente possível“.

A mesma ideia foi defendida por Fernando Medina, também presente na Cimeira do Turismo. “Não é o turismo que está a criar o problema da habitação, e o problema não se resolve com limitação do turismo. Resolve-se com aumento da oferta. A única proposta que tem o condão de aumentar a oferta é baixar os impostos sobre os rendimentos prediais“, disse o presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

O autarca lembrou ainda que o ano de 2019 será marcado pelo arranque da nova lei do alojamento local e frisou que “é um erro pensarmos que vamos abdicar do crescimento do turismo para a nossa economia, mas também é um erro pensar que uma cidade que cresce como Lisboa cresce não tem de cuidar do equilíbrio”.

Assim, acredita, a nova lei vai “resolver o reequilíbrio da cidade”, já que permite a cada freguesia usar as ferramentas disponíveis para limitar ou promover o alojamento local. “O que nos move não é nenhum sentimento de limitação. Alfama não é bitola para o resto do mundo. Alfama tem de ser protegida, mas também não pode impedir o desenvolvimento do alojamento local no resto da cidade”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turistas a mais? Costa diz que não. “Temos de aumentar a intensidade do turismo em Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião