Desemprego fica em 6,8% pelo terceiro mês consecutivo. Está em mínimos de 2002

A taxa de desemprego terá ficado em 6,8% em agosto, revelam dados provisórios do INE. Se este valor se confirmar, será o terceiro mês seguido com o mesmo registo.

A taxa de desemprego ter-se-á mantido em 6,8% em agosto, segundo dados provisórios revelados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Esta evolução acontece depois de no mês anterior a taxa de desemprego ter estabilizado em 6,8% face a junho, um mínimo de 2002. Os progressos no mercado de trabalho parecem agora mais tímidos.

Em abril, o Governo previu que a taxa de desemprego feche o ano em 7,6%. Dentro de cerca de três semanas o Governo apresenta um novo cenário macroeconómico onde atualiza as previsões para a economia e o mercado de trabalho. O Banco de Portugal aponta para 7,2%.

“Em agosto de 2018, a estimativa provisória da taxa de desemprego foi de 6,8%, tendo-se mantido inalterada em relação ao mês anterior e tendo diminuído 0,3 pontos percentuais em relação a maio de 2018 e 2 pontos percentuais em comparação com agosto de 2017”, diz o INE.

Só no próximo mês o INE voltará a publicar as estimativas provisórias do desemprego, onde o registo de agosto passa de provisório a definitivo e lança um novo valor provisório para o mês de setembro.

Se os 6,8% forem confirmados, este será então o terceiro mês seguido com a taxa de desemprego em 6,8%, o que consolida a ideia de que a taxa de desemprego poderá ter parado de baixar quando comparada com as marcas dos meses imediatamente anteriores.

No entanto, tal como destaca o INE, a melhoria do mercado de trabalho é bem visível quando comparada com o que aconteceu um ano antes. Em agosto de 2017, a taxa de desemprego estava em 8,8%.

Em agosto de 2018, “a população desempregada – cuja estimativa provisória foi de 352,5 mil pessoas – aumentou 0,5% (1,8 mil) em relação ao mês anterior (julho de 2018) e diminuiu 3% (11,0 mil) em relação a três meses antes (maio de 2018) e 22% (99,5 mil) em comparação com o mês homólogo”.

A estimativa provisória da população empregada “ascendeu a 4.800,2 mil pessoas, tendo diminuído 0,1% (4 mil) em relação ao mês anterior (julho de 2018) e aumentado 0,2% (9,6 mil) em relação a três meses antes (maio de 2018) e 1,9% (89,9 mil) em comparação com o mesmo mês de 2017”.

Quanto a agosto, o INE revela ainda que as taxas de desemprego dos jovens e dos adultos foram estimadas em 19,5% e 5,8% respetivamente. “A primeira diminuiu 0,2 p.p. em relação ao mês precedente, enquanto a segunda se manteve inalterada.”

O valor de julho, fechado com a divulgação da informação conhecida esta sexta-feira, não sofreu qualquer alteração na passagem de provisório para definitivo.

(Notícia atualizada)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego fica em 6,8% pelo terceiro mês consecutivo. Está em mínimos de 2002

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião