Google quer planear as suas viagens, de A a Z

A nova ferramenta da Google diz-lhe, por exemplo, com quantos dias de antecedência deve comprar um bilhete de avião para que este fique mais barato.

A Google continua a aumentar os seus serviços no que toca ao planeamento de viagens. A aplicação Google Trips vai, agora, receber um conjunto de novos recursos com o objetivo de facilitar o processo de planeamento de uma viagem, avança o Tech Crunch (acesso livre, conteúdo em inglês).

A antecedência pode ser mesmo, segundo a tecnológica, o fator-chave. “Planear com antecedência pode tornar todo o processo menos stressante e menos dispendioso”, pode ler-se numa publicação da Google.

Esta ferramenta permite, então, reservar um hotel, conhecer alguns sítios que podem ser do seu interesse visitar e, claro, comprar as passagens de avião, de acordo com os feriados e as férias mais próximas. O utilizador pode selecionar o feriado que pretende aproveitar para fazer férias e a Google ajuda-o a marcar tudo.

Além disso, e a grande novidade é que, para evitar despesas maiores, a empresa faz uma estimativa das alterações dos preços, de acordo com as tendências registadas em 2017, e avisa-o quantos dias antes da viagem convém comprar o bilhete.

Neste momento, a Google disponibiliza as tendências dos preços para o feriado americano do Dia de Ação de Graças (Thanksgiving Day, em inglês), para as férias de Natal e para o Ano Novo. No entanto, as cidades ainda são muito limitadas. O utilizador apenas pode planear a sua viagem de acordo com as 25 rotas que, até agora, são suportadas.

No que toca à reserva do hotel, uma funcionalidade um pouco mais comum neste tipo de aplicações, depois de decidir o destino, a Google vai ajudá-lo a encontrar o bairro mais adequado às suas necessidades, tendo em conta a pontuação dada a categorias como, por exemplo, a proximidade dos bares, a quantidade de pontos de interesse ou o acesso ao transporte público. Além disso, vai ficar logo a saber como ir e voltar do aeroporto.

O recurso vai ainda ser disponibilizado, nos próximos dias, para os utilizadores de todo o mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google quer planear as suas viagens, de A a Z

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião