Google Chrome em mudanças. Quer alterar a forma como mostra endereços de sites

A equipa responsável pelo browser mais usado em todo o mundo está convencida de que os endereços dos sites não são a melhor forma de identificar um site. Vêm aí mudanças nos endereços na web.

O browser mais popular do mundo quer simplificar a forma como identificamos os sites na internet. Segundo a imprensa especializada, a equipa do Google Chrome está a analisar formas de revolucionar a World Wide Web, onde tradicionalmente os endereços são compostos por domínios — por exemplo, “eco.pt” ou “google.com”.

Atualmente, as duas formas mais comuns de entrar num site na internet é digitando o endereço manualmente ou procurando o site num motor de busca, como o do Google. Contudo, nos últimos anos, têm surgido novos sufixos nos domínios. Atualmente, não é incomum os endereços de alguns sites terminarem em “.biz” ou “.info”. E o próprio site da Alphabet, a empresa que detém a Google, é inovador nesse sentido. O URL (endereço) é “abc.xyz”.

No entanto, de acordo com a Wired (acesso condicionado), que avançou a notícia, a equipa do Chrome está focada em encontrar uma alternativa aos endereços comuns, que permita aos utilizadores memorizar mais facilmente um endereço na internet. Só ainda não se sabe em concreto que opções estão a ser exploradas, mas espera-se que mais informações sejam reveladas pela empresa no ano que vem.

Os endereços na internet “são difíceis de ler, é difícil entender em quais é que devemos confiar e, no geral, não acredito que os URL estejam a servir como uma boa identidade dos sites”, afirmou à revista a principal engenheira da equipa do Google Chrome, Adrienne Porter Felt. “Queremos avançar para uma era em que a identidade na web é compreendida por toda a gente”, acrescentou.

Sem revelar detalhes, a profissional sinalizou que o Google Chrome poderá receber alterações na forma como mostra os endereços dos sites aos utilizadores. A empresa deverá anunciar mais novidades no próximo outono ou primavera. Uma mudança deste tipo no Google Chrome facilmente poderia tornar-se o padrão no mercado, uma vez que é o browser de internet mais usado em todo o mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google Chrome em mudanças. Quer alterar a forma como mostra endereços de sites

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião