Qual o banco com as comissões mais baixas? Comparador do Banco de Portugal chega a 1 de outubro

A partir do dia 1 de outubro vai ser possível que os consumidores comparem custos para diferentes serviços bancários. O comparador de comissões, do Banco de Portugal, abrange 93 comissões.

Num momento em que o tema das comissões bancárias está na ordem do dia e os consumidores veem este tipo de encargos aumentar, o Banco de Portugal vai disponibilizar uma nova funcionalidade, que pretende ter clientes mais informados. O Comparador de Comissões vai permitir comparar 93 comissões bancárias, praticadas por cerca de 200 instituições.

No passado mês de fevereiro, Lúcia Leitão, responsável pelo departamento de supervisão comportamental do Banco de Portugal, já tinha avançado o número de comissões bancárias que seriam abrangidas pela nova funcionalidade, cerca de 80. Esta quarta-feira, o regulador divulgou que serão 93 comissões bancárias disponíveis e sujeitas a comparação.

Cada instituição bancária terá, assim, de disponibilizar os preços praticados para os 93 serviços selecionados pelo supervisor do sistema financeiro nacional e, caso não os disponibilize a todos, é obrigada a dizer que determinado serviço não está disponível, para que o cliente o saiba.

Tudo terá de estar a postos a 1 de outubro, altura em que arranca o comparador de comissões relativas a diversos serviços associados a contas de pagamento, nomeadamente com os custos com a manutenção de conta, incluindo de conta pacote, disponibilização de cartões de débito e de crédito, levantamento de numerário, aquisição de cheques e transferências.

Além das comissões associadas à manutenção da conta de serviços mínimos bancárias e à manutenção da conta base, já disponíveis desde maio de 2017, o comparador de comissões incluirá:

  • Manutenção de uma conta de pagamento com características simples (uma conta de depósito à ordem que não esteja associada a outros produtos ou serviços, por exemplo);
  • Manutenção de contas pacote;
  • Disponibilização de cartões de débito e de cartões de crédito;
  • Disponibilização de cartões de crédito privados;
  • Levantamento de numerário;
  • Adiantamento de numerário a crédito;
  • Requisição e entrega de cheques cruzados, à ordem e não à ordem;
  • Transferências a crédito;
  • Ordens permanentes.

Desta forma, o cliente vai conseguir comparar o valor máximo que as instituições cobram, escolhendo a opção como quer consultar a ferramenta. Se, por um lado, pode comparar diretamente três serviços nas várias instituições bancárias, pode também escolher apenas uma instituição e ver todos os serviços da mesma.

Além disso, com um filtro, o cliente consegue também ordenar a visualização pela comissão mais baixa ou pela mais alta, de acordo com o serviço que escolheu consultar.

A informação do comparador de comissões vai estar sempre atualizada, no momento em que o consumidor consulta a ferramenta vai deparar-se com as comissões que estão em vigor.

O objetivo do comparador de comissões não passa pelo aconselhamento dos consumidores, a ferramenta não trabalha em função do perfil do cliente, não privilegiando nenhuma instituição bancária. O grande propósito é, sim, informar o cliente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual o banco com as comissões mais baixas? Comparador do Banco de Portugal chega a 1 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião