Lagarde: “Muitos bancos, especialmente na Europa, continuam fracos”

  • ECO
  • 5 Setembro 2018

A diretora do FMI considera que o problema da falta de ética permanece e apela a que seja feita uma reforma dentro das instituições, para além do reforço da regulação que já foi feito.

As posições de liquidez dos bancos melhoram, a regulação está mais apertada o endividamento é menor e os créditos do subprime que deram origem à crise, na sua maior parte, já não existem. Foram feitos progressos desde a crise financeira de 2008, que teve o ponto de partida no colapso do Lehman Brothers, mas não chega. Ainda há muitos bancos que permanecem frágeis, a capitalização das instituições financeiras ainda não é suficiente e os bancos “too big to fail” continuam a ser um problema. Estas ideias foram defendidas por Christine Lagarde, diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), num artigo publicado esta terça-feira no blogue da instituição.

Tudo [o que foi feito] é bom, mas não bom o suficiente“, resume Lagarde no artigo publicado por ocasião do aniversário de dez anos da queda do Lehman Brothers, que declarou falência a 15 de setembro de 2008.

E continua: “Muitos bancos, especialmente na Europa, continuam fracos. A capitalização da banca deveria ir mais longe. A ideia de ‘too big to fail‘ permanece um problema, numa altura em que os bancos crescem em dimensão e em complexidade. Ainda não houve progresso suficiente no que toca à resolução de bancos falidos”, escreve.

A diretora do FMI alerta ainda para a evolução das atividades no setor do chamado “shadow banking“, termo que designa o sistema bancário paralelo e que está assente num sistema financeiro informal, não regulamentado, que serve como fonte de crédito para quem não tem acesso a financiamento regular. A agravar este cenário está ainda o facto de a inovação financeira trazer mais desafios para a estabilidade do setor tradicional.

E, talvez o mais preocupante, os “decisores políticos enfrentam pressão significativa da indústria para aliviar as regulações pós-crise“.

Os decisores políticos enfrentam pressão significativa da indústria para aliviar as regulações pós-crise.

Christine Lagarde

Diretora do FMI

Para além de todos estes fatores, há um outro que Lagarde considera não ter mudado nos últimos dez anos: a ética. “O setor financeiro continua a colocar o lucro imediato à frente de prudência de longo alcance, o curto prazo à frente da sustentabilidade. Basta pensar na quantidade de escândalos financeiros que tiveram lugar após o Lehman”, aponta, sublinhando que “as falhas éticas têm consequências económicas claras”.

Lagarde apela, assim, a que seja feita uma reforma dentro das instituições, para complementar o reforço da regulação e supervisão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde: “Muitos bancos, especialmente na Europa, continuam fracos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião