Situação financeira mundial está “tão perigosa” como quando caiu o Lehman Brothers, alerta Trichet

  • Lusa
  • 4 Setembro 2018

Jean-Claude Trichet, ex-presidente do Banco Central Europeu, alerta que o crescimento da dívida nos mercados emergentes é uma ameaça real à estabilidade financeira mundial.

A situação financeira atual está “tão perigosa” agora como em setembro de 2008, aquando da quebra do banco norte-americano Lehman Brothers, considera o ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet.

“É agora reconhecido que a enorme dívida nas economias avançadas tem sido um fator chave no desencadeamento da crise financeira mundial de 2007 e 2008”, declarou Trichet à agência France Presse (AFP).

Hoje, “o crescimento da dívida dos países desenvolvidos – em particular privada – abrandou, mas este abrandamento é compensado por uma aceleração da dívida nos mercados emergentes. É isto que torna atualmente todo o sistema financeiro global, pelo menos, tão vulnerável, se não mais, do que em 2008“, disse o responsável pelo BCE entre 2003 a 2011.

Sob a sua liderança, a instituição económica e monetária europeia, com sede em Frankfurt, seguia na linha de frente, ao lado de outros grandes bancos centrais globais em 2007.

"O crescimento da dívida dos países desenvolvidos – em particular privada – abrandou, mas este abrandamento é compensado por uma aceleração da dívida nos mercados emergentes. É isto que torna atualmente todo o sistema financeiro global, pelo menos, tão vulnerável, se não mais, do que em 2008.”

Jean-Claude Trichet

Ex-presidente do BCE

“O verdadeiro início da crise financeira que iria estalar sobre o mundo, percebi em 09 de agosto de 2007 pela manhã quando fomos confrontados com uma interrupção completa do funcionamento do mercado monetário na área do euro”, recordou Trichet.

Vários sinais já tinham sugerido uma fragilidade do mercado hipotecário nos EUA, no verão de 2007 estes sinais aceleraram e as primeiras falências ocorreram nos Estados Unidos. No final de julho desse ano, já os mercados estavam abalados e a Europa contagiada, continuou.

Em 15 de setembro de 2008, o Lehman Brothers declarou falência, desencadeando a pior crise das finanças globais desde a Grande Depressão.

Nos dias que precederam o anúncio, Trichet diz ter estado em contacto permanente com Ben Bernanke (na altura presidente da Fed), referindo que naquela altura sentiu que o Governo norte-americano não estava preparado para intervir com dinheiro público e então “preparou-se para a catástrofe”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Situação financeira mundial está “tão perigosa” como quando caiu o Lehman Brothers, alerta Trichet

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião