Mesmo com o e-mail, CTT garantem que “é importante ter um serviço de correio”

Na reta final da concessão do serviço público de correio, a empresa reitera que "é importante" manter um serviço de correio, apesar do crescimento do e-mail: muita gente ainda não tem internet.

Francisco Simão, administrador operacional e tecnológico dos CTT.Henrique Casinhas/ECO

Os CTT CTT 0,46% alertam que “é importante continuar a ter um serviço de correio”, porque uma grande parte da população ainda não tem acesso à internet e, entre os que têm, muitos ainda não usam um serviço de correio eletrónico. O alerta surgiu pela voz de Francisco Simão, administrador executivo da empresa, numa altura em que os CTT têm registado quedas sucessivas no tráfego de correio.

O fenómeno está associado à digitalização e tem penalizado os resultados da empresa a cada trimestre, mas o administrador operacional e tecnológico dos CTT reconhece, também, que não há volta a dar. “A tendência [de queda do volume de correio] não vai parar. Isto é o que vai acontecer, faz sentido acontecer e não queremos parar o rio com uma mão”, frisou Francisco Simão, num discurso na Fundação Champalimaud inserido na eID Conference, promovida pela Multicert, empresa de segurança e certificação digital, da qual os CTT são acionistas.

No primeiro semestre deste ano, os CTT registaram uma queda homóloga de 7,9% do tráfego de correio endereçado, para 357,3 milhões de objetos, fator que penalizou os lucros da companhia. O resultado líquido afundou 64,8% para 6,3 milhões de euros entre janeiro e junho, segundo o relatório publicado a 31 de julho.

Francisco Simão deixa assim o repto de que, apesar de os portugueses enviarem cada vez menos cartas, o fim do serviço de correio não é já para amanhã, pelo que é “importante” mantê-lo. Os CTT detêm o contrato de concessão do serviço postal universal com o Estado, que já está na reta final. A empresa deverá ser chamada a negociar com o Governo, já na próxima legislatura, um novo contrato de concessão.

As declarações surgem também numa altura em que a empresa, liderada por Francisco de Lacerda, tem sido pressionada pela Anacom para que melhore a qualidade do serviço postal, depois de a empresa ter falhado dois anos seguidos os critérios de qualidade de serviço que tinham sido definidos pelo regulador. Este ano, os critérios já são diferentes e ainda mais exigentes, algo que os CTT têm vindo a contestar fervorosamente, argumentando que põem em causa a sustentabilidade do serviço postal.

Ainda esta quinta-feira, durante o congresso anual da APDC, o presidente executivo, Francisco de Lacerda, afirmou que, através dos novos critérios de qualidade, todos os carteiros “só podem errar uma carta em cada 1.000 ao fim de cinco dias”. “Se falharem uma vez, falhamos os critérios”, afirmou o gestor.

Evolução das ações dos CTT na bolsa de Lisboa

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mesmo com o e-mail, CTT garantem que “é importante ter um serviço de correio”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião