Hoje nas notícias: nova tabela salarial, malparado e Benfica

  • ECO
  • 1 Outubro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O dia é marcado pela nova tabela salarial da Função Pública, depois da promessa do primeiro-ministro de “aumento salarial efetivo”. Mas, para os magistrados jubilados, a diferença para o salário que tinham no ativo chega aos 700 euros por mês. Na banca, o comparador de comissões é lançado esta semana, mas algumas instituições pedem que esta ferramenta arranque mais tarde. Já as vendas de malparado atingem valores recorde.

Tabela salarial da Função Pública perde três níveis mais baixos

O primeiro-ministro já o tinha dito com todas as letras: no Orçamento do Estado para 2019 haverá um “aumento salarial efetivo” na Função Pública. A dúvida era saber saber como seria operacionalizado esse aumento. A solução passará por eliminar os três primeiros níveis salariais da Função Pública que são inferiores a 600 euros, o valor para o qual é expectável que o salário mínimo venha a subir em 2019. Isto significa, na prática, que as carreiras mais baixas vão subir três posições, o que forçará um aumento generalizado de todos os salários. No entanto, ainda não se sabe se o aumento será nominal ou percentual. Leia a notícia completa no Correio da Manhã.

Juízes e procuradores jubilados ganham mais do que a trabalhar

A diferença entre o que os magistrados ganham no ativo para quando estão jubilados chega a cerca de 700 euros por mês. Foi aprovada uma alteração aos estatutos em 2011, que para a Caixa Geral de Aposentações significava o fim da situação excecional para os ex-trabalhadores do Estado. Mas magistrados jubilados que tinham uma interpretação diferente apresentaram ações em tribunal que impediram a correção. Agora, o Governo quer aprovar legislação para acabar com o benefício, e para isso tem duas novas propostas de lei que são mais claras do que as anteriormente apresentadas. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso condicionado)

Bancos quiseram adiar comparador de comissões

Três instituições financeiras pediram o adiamento do comparador de comissões bancárias do Banco de Portugal que arranca nesta sexta-feira. Na base deste pedido terão estado o elevado esforço que estas adaptações exigem aos seus clientes, avança o Jornal de Negócios na edição desta segunda-feira, citando o documento que esteve em consulta pública. A partir desta ferramenta passa a ser possível comparar 93 comissões bancárias através de uma ferramenta disponível no Portal do Cliente Bancário. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Transações de crédito malparado aumentam

A estratégia dos bancos nacionais para reduzir o crédito malparado tem sido encontrar compradores para portefólios problemáticos. O valor das vendas de carteiras de crédito problemático pode atingir os sete mil milhões de euros neste ano, e assim duplicar em relação a 2017. A atividade em Portugal no mercado de vendas de crédito não produtivo começou a acelerar no segundo semestre de 2017, revela um relatório da Deloitte. Instituições como Caixa Geral de Depósitos, o BCP e o Novo Banco têm preparado operações deste tipo. Leia a notícia completa no Diário de Notícias.

Benfica muda de advogados e avança para instrução

O Benfica tem uma nova equipa de três advogados, que vão avançar com um pedido de abertura de instrução no caso e-toupeira. Na instrução, um juiz avalia se a acusação do Ministério Público tem bases para chegar a tribunal. O advogado da SAD do Benfica, José Correia, foi substituído por Saragoça da Matta, João Medeiros e Rui Patrício. O Ministério Público acusou a SAD do Benfica de um crime de corrupção ativa, de um crime de oferta ou recebimento indevido de vantagem e de vinte e oito crimes de falsidade informática. Leia a notícia completa na TSF.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: nova tabela salarial, malparado e Benfica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião