Sonae justifica fecho de supermercados em Maputo com opção dos sócios maioritários

  • Lusa
  • 2 Outubro 2018

Retalhista portuguesa diz que o encerramento dos três supermercados em Maputo, Moçambique, se deveu a uma decisão "irreversível" do acionista maioritário.

O grupo português Sonae, minoritário na sociedade moçambicana S2, justificou o encerramento dos três supermercados Central, em Maputo, com a “impossibilidade de reverter a decisão” do acionista maioritário, garantindo que pretendia manter a aposta no mercado local.

“O processo de insolvência resulta da impossibilidade de reverter a decisão do acionista maioritário, de deixar de financiar o plano de negócios da empresa, não obstante termos sempre manifestado a nossa disponibilidade para continuar a financiar a nossa quota parte”, explicou à Lusa fonte oficial da Sonae.

A sociedade S2, participada em 30% pelo grupo português Sonae e em 70% pela Satya Capital – um grupo de investidores moçambicanos -, encerrou esta terça-feira os seus três supermercados da marca Central na capital moçambicana e pediu insolvência.

“Enquanto acionista minoritário, num cenário de ‘cash flows’ negativos, não nos é possível impedir o desfecho de insolvência da empresa”, acrescentou a fonte da Sonae. A S2 operava no mercado moçambicano desde 2016.

A Lusa constatou que os supermercados Central no Prédio Jat, baixa de Maputo, na Avenida de Angola e no Bairro do Zimpeto estavam esta terça-feira encerrados. Guardas do Prédio Jat contaram à Lusa que o supermercado funcionou normalmente na segunda-feira e que os trabalhadores foram surpreendidos com o encerramento da loja.

Um advogado da empresa confirmou que a S2 acionou um processo judicial de insolvência, sem avançar mais detalhes.

Num edital assinado pelo presidente da sociedade, Miguel Seixas, este diz que a situação obrigou a pedir a insolvência junto do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo.

“Várias foram também as negociações encetadas com potenciais interessados para a aquisição do negócio da sociedade, no entanto, nenhuma oferta foi efetivamente feita, sendo as razões para tal apresentadas ligadas essencialmente aos elevados custos operacionais fixos da mesma, face à atual situação económica do país”, lê-se.

A S2 adianta que o processo judicial desencadeado com o pedido de insolvência terminará com o pagamento, “que for possível”, das dívidas da sociedade, incluindo os créditos devidos aos trabalhadores.

A Lusa soube junto de fonte próxima de um dos trabalhadores que os salários estarão todos em dia, ficando por liquidar direitos associados ao fim do contrato.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae justifica fecho de supermercados em Maputo com opção dos sócios maioritários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião