Sonae justifica fecho de supermercados em Maputo com opção dos sócios maioritários

  • Lusa
  • 2 Outubro 2018

Retalhista portuguesa diz que o encerramento dos três supermercados em Maputo, Moçambique, se deveu a uma decisão "irreversível" do acionista maioritário.

O grupo português Sonae, minoritário na sociedade moçambicana S2, justificou o encerramento dos três supermercados Central, em Maputo, com a “impossibilidade de reverter a decisão” do acionista maioritário, garantindo que pretendia manter a aposta no mercado local.

“O processo de insolvência resulta da impossibilidade de reverter a decisão do acionista maioritário, de deixar de financiar o plano de negócios da empresa, não obstante termos sempre manifestado a nossa disponibilidade para continuar a financiar a nossa quota parte”, explicou à Lusa fonte oficial da Sonae.

A sociedade S2, participada em 30% pelo grupo português Sonae e em 70% pela Satya Capital – um grupo de investidores moçambicanos -, encerrou esta terça-feira os seus três supermercados da marca Central na capital moçambicana e pediu insolvência.

“Enquanto acionista minoritário, num cenário de ‘cash flows’ negativos, não nos é possível impedir o desfecho de insolvência da empresa”, acrescentou a fonte da Sonae. A S2 operava no mercado moçambicano desde 2016.

A Lusa constatou que os supermercados Central no Prédio Jat, baixa de Maputo, na Avenida de Angola e no Bairro do Zimpeto estavam esta terça-feira encerrados. Guardas do Prédio Jat contaram à Lusa que o supermercado funcionou normalmente na segunda-feira e que os trabalhadores foram surpreendidos com o encerramento da loja.

Um advogado da empresa confirmou que a S2 acionou um processo judicial de insolvência, sem avançar mais detalhes.

Num edital assinado pelo presidente da sociedade, Miguel Seixas, este diz que a situação obrigou a pedir a insolvência junto do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo.

“Várias foram também as negociações encetadas com potenciais interessados para a aquisição do negócio da sociedade, no entanto, nenhuma oferta foi efetivamente feita, sendo as razões para tal apresentadas ligadas essencialmente aos elevados custos operacionais fixos da mesma, face à atual situação económica do país”, lê-se.

A S2 adianta que o processo judicial desencadeado com o pedido de insolvência terminará com o pagamento, “que for possível”, das dívidas da sociedade, incluindo os créditos devidos aos trabalhadores.

A Lusa soube junto de fonte próxima de um dos trabalhadores que os salários estarão todos em dia, ficando por liquidar direitos associados ao fim do contrato.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae justifica fecho de supermercados em Maputo com opção dos sócios maioritários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião