Moscovici vê “um bom sinal” na redução da previsão do défice italiano após 2019

  • Lusa
  • 3 Outubro 2018

"É um bom sinal que tenham corrigido a trajetória [do défice], porque demonstra que as autoridades italianas entendem as preocupações e os comentários dos seus parceiros e da Comissão Europeia", disse

O comissário europeu de Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, considerou esta quarta-feira “um bom sinal” a decisão do Governo italiano de rever em baixa a previsão do défice a partir de 2019.

“É um bom sinal que tenham corrigido a trajetória [do défice], porque demonstra que as autoridades italianas entendem as preocupações e os comentários dos seus parceiros e da Comissão Europeia”, enalteceu o comissário francês, em declarações à imprensa, em Paris.

Questionado sobre se considera que essa inflexão é suficiente, Moscovici respondeu que é “um começo”. “Dialogaremos com o Governo italiano com base em números detalhados”, insistiu, repetindo que a missão da Comissão Europeia é assegurar que as regras, “que não são estúpidas”, sejam respeitadas “com um espírito de diálogo”.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros vincou que é preciso evitar uma crise entre Roma e Bruxelas. “Não interessa a ninguém que haja uma crise entre a União Europeia e Itália”, completou. Moscovici reagia assim às declarações do ministro das Finanças italiano, Giovanni Tria, que afirmou hoje que o défice público italiano começará a descer em 2020 depois do aumento contido em 2019. “A redução do défice ocorrerá depois de 2019“, declarou Tria, que falava numa reunião pública da Confindusria, o patronato italiano.

Na quinta-feira, o Governo italiano tinha indicado que o défice seria de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) durante três anos, a partir de 2019. Tria não confirmou o número de 2,4% para 2019, evocando uma situação de partida com um défice de 2% do PIB ao qual seria necessário juntar 0,2 pontos percentuais para financiar investimentos.

Esta redução do défice a partir de 2020 tinha sido antecipada por dois jornais italianos, o Corriere della Sera e o La Repubblica. Segundo estes dois jornais, o défice atingiria 2,2% em 2020 e 2% em 2021. Contudo, Tria não especificou os números na intervenção que fez na Confindustria. A Comissão Europeia, que deverá examinar este projeto a partir de 15 de outubro, afirmou que os objetivos iniciais pareciam “fora do baralho”.

Na terça-feira à noite, o chefe do Governo, Giuseppe Conte, já tinha tentado acalmar os mercados prometendo acelerar a redução da dívida pública do país, que atualmente é equivalente a 131% do PIB. Conte deve encontrar-se hoje de novo com os chefes dos partidos que formam a coligação governamental, a Liga (extrema direita) e o Movimento Cindo Estrelas (M5S, anti-sistema).

As tensões com Bruxelas estão longe de estar apaziguadas, já que na terça-feira à noite o vice-primeiro-ministro Matteo Salvini (Liga) atacou vivamente o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a quem acusou de desestabilizar Itália inquietando os investidores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moscovici vê “um bom sinal” na redução da previsão do défice italiano após 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião