“Solução para o arrendamento está bloqueada porque não há entendimento nem sentimento de urgência”

Helena Roseta considera que a situação é urgente, principalmente nas grandes cidades do país, e que requer que sejam tomadas medidas rapidamente.

Estamos a viver uma crise de habitação que é uma crise nacional“, disse Helena Roseta, presidente da Assembleia Municipal e coordenadora do Grupo de Trabalho da Habitação. Se, por um lado, há zonas do país onde não há falta de casas mas sim de pessoas, devido à desertificação, por outro, a falta de acessibilidade de arrendamento impõe-se, nomeadamente nas grandes cidades.

“Lisboa e Porto têm um sentido de extrema urgência, especialmente para os jovens e jovens estudantes”, acrescentou, referindo que se trata de uma situação de urgência e, por isso, precisa de “medidas de urgência”. E o problema, a seu ver, é que “a solução legal está relativamente bloqueada porque não há um entendimento nem o sentimento de urgência que esta matéria requer”.

Helena Roseta referiu que as propostas da habitação foram apresentadas por todos os partidos e que, agora, há um conjunto de iniciativas pendentes a votar. Votação essa que diz ter de ser feita “rapidamente”, para não se tornar “inútil”. Ao todo, o conjunto engloba 24 iniciativas relacionadas com questões como o prazo mínimo dos contratos, as rendas acessíveis e os benefícios fiscais. O risco de tudo isto é que “estamos muito em cima do acontecimento”, explicou Helena Roseta.

“Esta matéria tem de ser aprovada muito rapidamente, porque estamos a falar de matérias que não entram no Orçamento do Estado. No entanto, corremos o risco de não haver maioria para nada, porque toda a gente vota contra toda a gente“, referiu.

"Corremos o risco de não haver maioria para nada, porque toda a gente vota contra toda a gente.”

Helena Roseta

Presidente da Assembleia Municipal

A presidente da Assembleia Municipal criticou a falta de discussão no parlamento sobre a lei de base da habitação, na qual defende que deveriam haver três tipologias: a renda apoiada para famílias com carências económicas, que já existe; a renda livre, que considera que tem de existir; e, finalmente, a renda acessível, que é, no fundo, um intermédio entre as outras duas. “Destinada às famílias que não conseguem chegar à renda apoiada, porque os seus rendimentos são um bocadinho mais acima, mas, também, não conseguem a renda livre, porque os seus rendimentos são um bocadinhos mais abaixo”, explicou.

Helena Roseta criticou, também, “os partidos da chamada geringonça”, dizendo que não compreende porque é que “não fazem da habitação uma bandeira comum“.

750 afetações concretizadas até ao final do ano

Paula Marques, vereadora da habitação e desenvolvimento local da CML — que fez um balanço sobre a habitação, na sequência do primeiro ano de mandato municipal — referiu que, até ao final do mesmo, a câmara municipal de Lisboa vai “chegar às 750 afetações e atribuições de chaves, naquilo que é a habitação pública”. Até agora, a Câmara já atribuiu cerca de 500 habitações.

Deste número, Paula Marques destaca as 100 habitações que foram atribuídas no âmbito do programa de habitação do centro histórico. Um programa “em que é disponibilizado património que estava associado à habitação para que as famílias que estavam a perder alojamento pudessem continuar a viver no centro histórico. E estamos a falar, em particular, de pessoas que já tinham contratos de arrendamento nestas zonas há vários anos”, explicou.

Aos programas de habitação “vamos somar mais de 1.500 fogos e 200 quartos para estudantes, associados à segurança social”, acrescentou a vereadora da habitação e desenvolvimento local da CML.

Quanto às famílias abrangidas pelo subsídio municipal de arrendamento, até agora a CML já conta com 650.

Estas medidas, assegura, vão ao encontro à “cidade mais aberta e mais justa” que a vereadora defende. No entanto, Paula Marques adverte, também, para a necessidade de medidas a nível nacional. “Não nos enganemos. Não é só com medidas de intervenção a nível local que vamos conseguimos mudar esta questão e combater a alteração profunda que estamos a viver na habitação”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Solução para o arrendamento está bloqueada porque não há entendimento nem sentimento de urgência”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião