EDP obtém 600 milhões de euros em “obrigações verdes”. Juro fica abaixo de 2%

  • ECO
  • 9 Outubro 2018

A EDP obteve 600 milhões de euros com a emissão de green bonds. A empresa vai pagar um juro de 1,959% por dívida a sete anos, uma taxa superior à exigida pelos investidores ao Estado.

A EDP Finance obteve 600 milhões de euros com a emissão de “obrigações verdes” a sete anos, uma operação realizada esta terça-feira. A empresa vai pagar uma taxa de juro de 1,959%, de acordo com informações avançadas pela empresa à CMVM. A taxa confirmada pela elétrica portuguesa é inferior à taxa de 1,98%, que tinha sido avançada pela Bloomberg.

“A EDP Finance fixou hoje [terça-feira] o preço de uma emissão de títulos representativos de dívida (‘notes’) no montante de 600 milhões de euros com vencimento em outubro de 2025, cupão de 1,875%, a que corresponde uma yield de 1,959%”, lê-se na comunicação da empresa aos mercados.

Assim, a taxa a pagar pela EDP por estas “obrigações verdes”, ou green bonds, — instrumento de dívida que permite às empresas e Estados captar investimento para projetos existentes ou para projetos novos, aos quais estejam associados benefícios ambientais — ficará abaixo dos 2%.

Ao pagar um juro de 1,959%, a elétrica vai financiar-se a um custo superior ao do Estado, uma vez que as obrigações do Tesouro a sete anos negoceiam no mercado obrigacionista secundário com um juro de 1,466%. A taxa a dez anos superou a fasquia dos 2%.

Na última operação de financiamento, a 20 de junho, a EDP levantou 750 milhões de euros em obrigações a 7,5 anos, com uma taxa de juro fixada em 1,67%.

A emissão de “obrigações verdes” pela EDP Finance foi coordenada por nove bancos: BNP Paribas, CaixaBank, Citi, ICBC, ING, JPMorgan Chase, Mediobanco, BCP e Mitsubishi Financial Group.

(Notícia atualizada às 16h30 com informação sobre o fim da operação e montante levantado pela EDP Finance)

Evolução do preço das ações da EDP na bolsa de Lisboa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP obtém 600 milhões de euros em “obrigações verdes”. Juro fica abaixo de 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião