José Maria Ricciardi afirma que Sporting se encontra em “pré-falência” e critica Varandas

O candidato derrotado à presidência do Sporting José Maria Ricciardi falou da situação financeira do clube à CMTV. Diz não reconhecer capacidades em Varandas e que o clube se encontra em pré-falência.

O Sporting encontra-se neste momento numa situação de pré-falência e a todos os sócios do Sporting eu vejo-me obrigado a dizer isto: não vejo qualquer capacidade na nova direção para resolver o problema”. As palavras são de José Maria Ricciardi, um dos candidatos derrotados à presidência do Sporting que, em entrevista à CMTV, esta terça-feira, falou da má situação financeira do clube e deixou duras palavras a Frederico Varandas, atual presidente.

Frederico Varandas está à frente do Sporting apenas desde setembro, mas Ricciardi diz não ver uma mudança de rumo no clube leonino desde a sua eleição. “Sou [oposição a Frederico Varandas], porque ao fim do mês vejo que o Sporting não tem um tostão, deve 54 milhões de euros aos fornecedores — ou pelo menos devia a 30 de junho, entendo que hoje deve dever mais porque já passou algum tempo”.

O ex-banqueiro chegou mesmo a afirmar que “sem dinheiro não há futebol” e que, embora não reconheça “qualquer credibilidade” a Varandas, não vai ser ele a resolver este problema. “Os sócios votaram de forma inequívoca nesta direção e eu tenho de respeitar isso. Acharam que era esta direção a resolver os problemas do Sporting. Fui candidato, os sócios não quiseram que eu ganhasse”.

Segundo o Expresso, José Maria Ricciardi já tinha alertado para a má situação financeira do clube antes das eleições. “Ao contrário do que disse a Comissão de Gestão do Sporting, que eu era um exagerado, o Sporting não pagou uma parcela do que tinha de pagar do Acuña, do Raphinha e do Bataglia. O Sporting não paga aquilo que tem de pagar. Há clubes que ameaçam ir para a FIFA“, disse na altura.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

José Maria Ricciardi afirma que Sporting se encontra em “pré-falência” e critica Varandas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião