Ricciardi acusa adversários à presidência do Sporting de “ataques soezes”

  • ECO
  • 24 Agosto 2018

O candidato à presidência do Sporting acusa os adversários de "mau caráter e desespero" e enaltece os resultados que o antigo BESI teve enquanto liderou o banco do universo Espírito Santo.

Depois da notícia avançada esta, sexta-feira, pelo Jornal de Negócios (acesso pago), de que a Deloitte reabriu as contas de 2015 do Haitong para “corrigir erros” contabilísticos feitos pela administração de José Maria Ricciardi, o antigo banqueiro vem agora defender-se. Em comunicado, Ricciardi refere-se a estas informações como um “conjunto de falsidades que visam desvalorizar” a sua candidatura e acusa os restantes candidatos à presidência do Sporting de lhe fazerem “ataques soezes”.

Em resposta à “campanha negra com o objetivo de atingir” a sua candidatura à presidência do Sporting, Ricciardi enumera uma longa lista de feitos alcançados pelo antigo Banco Espírito Santo Investimento (BESI), que liderou até à resolução do BES, em 2014. Nesse período, diz, “os resultados do BESI foram altamente positivos, tendo os lucros atingido um montante global de 448,9 milhões de euros”.

Para além disso, acrescenta, “o BESI apresentou, entre 2006 e 2010, um retorno ao capital superior a 21%, rendibilidade nunca vista na banca nacional”. Ao mesmo tempo, “o BESI/Haitong Bank jamais foi intervencionado pelo Estado português, não foi objeto de resolução”.

Se é certo que o Haitong Bank não recebeu diretamente ajudas do Estado, é certo também que recentemente se viu obrigado a receber um aumento de capital. O BESI chegou a ser integrado no Novo Banco (que, na altura da sua criação, recebeu ajudas públicas no valor de 3,9 mil milhões de euros) em agosto de 2014, aquando da resolução do BES. Nesse ano, de acordo com os dados disponíveis no relatório e contas, o BESI reportou prejuízos de 137,6 milhões. Já em 2015, inicialmente, reportou prejuízos de 35,4 milhões.

Pouco depois da integração no Novo Banco, o BESI acabou por ser vendido ao grupo chinês Haitong, em setembro de 2015, por 379 milhões de euros, passando a chamar-se Haitong Bank. Menos de dois anos depois, em março de 2017, o Haitong Bank anunciou que teria de fazer um aumento de capital no valor de 419 milhões de euros. José Maria Ricciardi manteve-se à frente do Haitong Bank até ao final de 2016.

Agora, tal como escreve o Jornal de Negócios, a Deloitte reconheceu imparidades que a anterior administração, liderada por José Maria Ricciardi, não tinha inscrito em 2015, o que fez quase triplicar os prejuízos registados pelo banco nesse ano. Os prejuízos de 2015 serão então de 98,3 milhões e não de 35,4 milhões, como inicialmente reportado.

Ricciardi considera, contudo, que estas informações se tratam de ataques. “Os ataques soezes de que estou a ser alvo só demonstram o mau caráter e o desespero de alguns candidatos. Os sportinguistas não se deixarão enganar quanto às minhas capacidades de liderança e gestão do clube, característica fundamental que não reconheço em qualquer outra candidatura”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ricciardi acusa adversários à presidência do Sporting de “ataques soezes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião