Sonae Capital estuda entrada no mercado mexicano na área da energia

  • Lusa
  • 12 Outubro 2018

A data na qual a Sonae Capital poderá efetivar a aposta no México não foi avançada pelo responsável, que considerou "especulativo" apontar um horizonte.

A Sonae Capital está a estudar a entrada no mercado mexicano de energia, disse na quinta-feira o novo presidente executivo da empresa, Miguel Gil Mata, recusando comprometer-se com datas.

“A área da energia tem sido uma área que tem canalizado forte investimento na Sonae Capital e tem de continuar a ser, porque continuamos a ver espaço no mercado, seja no nacional, mas sobretudo em outras geografias“, disse Miguel Gil Mata que, quando questionado sobre países em estudo, revelou que a Sonae Capital “já tem presença e escritórios no México”.

“É um país com uma base industrial fortíssima e condições favoráveis de disponibilidade de combustível e simultaneamente alguma imaturidade da rede elétrica, o que aconselha investimento em ativos descentralizados”, disse o líder da Sonae Capital, uma das empresas do grupo fundado por Belmiro de Azevedo.

Miguel Gil Mata, que assumiu em julho o cargo de presidente executivo da Sonae Capital, após a renúncia de Cláudia Azevedo, filha do fundador, que assumiu a liderança da Sonae SGPS, falava à agência Lusa à margem de um jantar que decorreu numa unidade hoteleira do grupo localizada no Porto.

A data na qual a Sonae Capital poderá efetivar a aposta no México não foi avançada pelo responsável, que considerou “especulativo” apontar um horizonte, mas descreveu que o projeto é centrado em centrais de cogeração.

Já em Portugal, e ainda no que diz respeito ao segmento da Sonae Capital dedicado à energia, Miguel Gil Mata falou da nova central de biomassa que está a ser construída em Mangualde, distrito de Viseu, estimando que fique pronta no final de 2019 ou início de 2020.

“É uma central de grande envergadura. Estará a meio da fase de construção. A energia térmica servirá a fábrica [unidade fabril do grupo Sonae instalada neste concelho, a Sonae Arauco] e a energia elétrica visa a rede”, disse o presidente executivo a propósito deste investimento superior a 50 milhões de euros.

Além da área da energia, a Sonae Capital tem negócios em áreas como hotelaria, ‘fitness’, imobiliário e indústria.

Miguel Gil Mata apontou que “uma das características da Sonae Capital é o foco no longo prazo” na procura de atividades “com ciclos maduros”.

Convidado a dar nota das prioridades da empresa, o presidente executivo evitou “graduar atividades” desde logo porque as apostas “têm muito a ver com o aspeto oportunístico”, justificou.

“O mercado do turismo está muito vivo, mas também tem muita inflação em termos de preços de ativos e, portanto, não é tão fácil adquirir novos ativos (…). Há neste momento mais probabilidade na área da energia pela natureza dos investimentos do que na área do turismo”, referiu.

Confrontado com o facto de o setor do turismo estar a passar um bom momento, Miguel Gil Mata frisou que “às vezes os momentos de alta dificultam a entrada porque os ativos estão inflacionados”.

“Continuamos a perseguir diversas oportunidades [na área da hotelaria], mas temos de ser criteriosos na aplicação de fundos. Às vezes os melhores momentos para entrar não são os de alta. Mas não se leia isto como falta de atenção. É mais falta de oportunidades desafiantes”, concluiu.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae Capital estuda entrada no mercado mexicano na área da energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião