Dívida, o PIB e a banca. Os alertas da Moody’s a Portugal

Foi a última a tirar a dívida portuguesa de "lixo", mas lá tirou. A queda da dívida ajudou à decisão de dar um selo de qualidade a Portugal, mas a Moody's continua em alerta.

Só faltava a Moody’s para o país conseguir o pleno. Portugal deixou de ser “lixo” para as principais agências de notação financeira internacionais que, finalmente, reconhecem a situação financeira bem mais desafogada da economia portuguesa. Há melhorias a registar, que explicam o selo de qualidade à dívida nacional, mas nem tudo está bem. Daí que a agência deixe vários alertas para o futuro.

A dívida é o principal motivo pelo qual a Moody’s reviu a classificação do país, colocando-a em “Baa3”, o primeiro nível fora de “lixo”. A agência nota que a dívida pública encontrou uma “sustentável (embora gradual) tendência de descida, com riscos limitados de reversão”, sublinhando a quebra acentuada desde a altura em que colocou a perspetiva em “positiva”, em setembro de 2017.

Mas a agência assume-se menos otimista que o Governo quanto ao ritmo de descida da dívida. Enquanto o Executivo antecipa uma meta de 107,2% do PIB para 2021 no Programa de Estabilidade, a Moody’s não vê a dívida a encolher além dos 116% do PIB nesse mesmo horizonte temporal.

A explicação para esta redução menos acentuada está na “constante pressão para aumento dos salários da Função Pública e para a recuperação dos significativos cortes no investimento público“. Assim, diz a Moody’s, é “improvável que se assistam a excedentes primários [sem considerar os encargos com os juros da dívida] suficientemente elevados” para uma redução mais expressiva.

Mesmo com a dívida pública a encolher, a Moody’s diz que Portugal vai continuar bastante endividado nos próximos anos. “O Estado vai continuar altamente endividado em comparação com os pares regionais e globais por muitos anos”, nota, utilizando este argumento para ser mais cautelosa relativamente a novas revisões do rating. A notação subiu, mas a perspetiva ficou em “estável”.

"A constante pressão para aumento dos salários da Função Pública e para a recuperação dos significativos cortes no investimento público [podem travar a queda da dívida pública].”

Moody's

Este elevado endividamento continuará a ser um travão ao crescimento, apesar de a Moody’s notar a “resiliência da economia” portuguesa. “Enquanto as condições externas favoráveis poderão suportar o crescimento (de 1,9% em 2018 e 2019), um moderar das perspetivas de crescimento refletirá os constrangimentos estruturais da economia”, como o endividamento, público e privado, diz. As previsões de crescimento da Moody’s são menos otimistas do que as do Governo que aponta para um crescimento da economia de 2,3% este ano e de 2,2% no próximo. Valores superiores também às previsões do Banco de Portugal e do Fundo Monetário Internacional que preveem, respetivamente, um crescimento de 1,9% e 1,8% no próximo ano.

Outro constrangimento é a banca. A Moody’s destaca os “progressos feitos na reestruturação de alguns dos bancos mais frágeis” que “reduziram materialmente os riscos orçamentais que o setor bancário colocava”, notando que mesmo que sejam precisas novas injeções de capital no Novo Banco não haver um “impacto material na trajetória da dívida”. Mas não pode haver mais surpresas na banca.

“A necessidade de injeções imprevistas no setor financeiro obrigariam a mais medidas de consolidação orçamental para alcançar uma consistente redução do fardo da dívida, sendo que, se tal não for feto, seria negativo para o rating” de Portugal, abrindo a porta a uma redução da notação novamente para o nível de “lixo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida, o PIB e a banca. Os alertas da Moody’s a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião