Furacão Leslie para fábrica da Navigator na Figueira da Foz durante uma semana

A fábrica está com a laboração suspensa. Não há água, eletricidade ou telecomunicações.

A passagem do furacão Leslie por Portugal, que afetou sobretudo o centro do país, vai obrigar à paragem, por uma semana, da fábrica da Navigator na Figueira da Foz, informou a empresa num comunicado ao mercado.

“A passagem do furacão Leslie por Portugal, que atingiu de forma particular a região da Figueira da Foz no sábado e domingo, causou danos patrimoniais na sua unidade fabril instalada naquela zona, e que esta se encontra, devido a esses danos, com a laboração suspensa. Neste momento a fábrica encontra-se sem fornecimento de água, eletricidade e telecomunicações, havendo uma estimativa inicial de que a laboração possa ser retomada dentro de uma semana“, pode ler-se no comunicado.

“Estima-se que esta paragem constitua uma perda de produção de cerca de seis mil toneladas de pasta e dez mil toneladas de papel”, precisa a empresa.

A Navigator não é a única afetada, a EDP declarou o estado de emergência para o distrito de Coimbra, o mais grave previsto no seu plano de atuação, e admite recorrer a meios internacionais para reparar os danos causados pela tempestade tropical Leslie.

Em comunicado, citado pela Lusa, a EDP Distribuição diz que, “face aos danos da rede elétrica causados pela passagem do furacão Leslie, os quais foram confirmados durante o dia de hoje pela avaliação técnica da EDP Distribuição, declara, para o distrito de Coimbra, o Estado de Emergência, o mais grave previsto no seu plano operacional de atuação em crise, desde as 20h00 deste domingo”.

Esta declaração de Estado de Emergência “resulta de acontecimentos com grandes repercussões e concretiza-se na mobilização, com âmbito nacional, de todos os meios humanos, materiais e equipamentos disponíveis na empresa, seus prestadores de serviço e fornecedores“, adianta a EDP Distribuição. “Poderá também ser ponderado, em caso de necessidade, o eventual recurso a meios internacionais”, concluiu a elétrica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Furacão Leslie para fábrica da Navigator na Figueira da Foz durante uma semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião