Governo aprova linha de crédito de dez milhões para empresas afetadas pelo Leslie

Para além de uma linha de crédito para as empresas que sofreram danos na tempestade, foi também aprovado em Conselho de Ministros um regime especial para as empreitadas públicas.

O Governo aprovou em Conselho de Ministros uma linha de crédito para as empresas que foram afetadas pelo Leslie. Devido à dimensão do fenómeno, que ocorreu nos dias 13 e 14 de outubro, o Governo vai também adotar um “regime excecional de contratação de empreitadas públicas”.

“Estimamos que a linha de crédito não necessite de um valor superior a dez milhões de euros”, indicou Nelson de Souza, secretário de Estado do Desenvolvimento e da Coesão, aos jornalistas após o Conselho de Ministros. As indemnizações das companhias de seguros, a que terão acesso as empresas, serão deduzidas, acrescentou o secretário de Estado.

No regime excecional está prevista a possibilidade de contratação por ajuste direto, após consulta a três entidades, de empreitadas até cinco milhões de euros. O financiamento do conjunto das medidas planeadas pelo Governo para cobrir os danos do Leslie será feito através de organismos públicos, e de outras fontes comunitárias, como no caso da Agricultura e do Mar.

O montante total dos prejuízos causados pela tempestade ainda não foi totalmente contabilizado. “O inventário dos danos ainda está em curso, é mais difícil de fazer e mais complexo porque os efeitos deste evento espraiaram-se por um território mais vasto. Temos já a convicção de que é um fenómeno muito mais disseminado pelo território do que foram os incêndios de 2017, explicou Nelson de Souza.

A tempestade Leslie provocou vários feridos ligeiros e desalojados, e foram comunicadas quase 1.900 ocorrências à Proteção Civil. O fenómeno afetou sobretudo o centro do país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aprova linha de crédito de dez milhões para empresas afetadas pelo Leslie

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião