Santander une-se a seis bancos para ajudar empresas a encontrar financiamento

Juntos vão criar a plataforma "Trade Information Network", que vai fornecer informação comercial e facilitar às empresas o processo de encontrar financiamento.

O Santander juntou-se a outros seis bancos internacionais para dar uma reviravolta no financiamento às empresas. Juntos, criaram uma plataforma que pretende dar informações e apoio a todo o tipo de empresas que têm dificuldades em obter financiamento para as suas atividades. Por ano, as instituições pretendem ajudar a angariar 1,5 biliões de dólares (1,3 biliões de euros), de acordo com o Cinco Días (conteúdo em espanhol).

Santander, ANZ, BNP Parias, Citi, Deutsche Bank, HSBC e Standar Chartered são as instituições bancárias dispostas a ajudar as empresas, sejam elas gigantes, pequenas ou médias. O objetivo de criação da “Trade Information Network” passa por intermediar e facilitar a procura de financiamento, ao mesmo tempo que permite que as empresas troquem de forma fácil e segura informação comercial com os seus bancos.

À plataforma juntaram-se várias empresas (das mais importantes a nível mundial) e outros 20 bancos de todo o mundo, diz o jornal espanhol, interessados em colaborar em projetos-piloto. O objetivo, de acordo com fontes próximas da iniciativa, passa por “transformar o comércio internacional, ao mesmo tempo que o tornam mais barato“.

As empresas podem lançar e verificar ordens de compra e faturas para solicitar financiamento comercial através dos bancos escolhidos. Desta forma, darão às entidades financeiras acesso a informação comercial de confiança, permitindo, ao mesmo tempo, que os bancos avaliem melhor os riscos e evitem informações comerciais fraudulentas no setor.

A iniciativa vai ser apresentada a 22 de outubro em Sidney, na Conferência de Sibos. De acordo com fontes do Santander, citadas pelo jornal espanhol, a plataforma deverá estar operacional no próximo ano e, uma vez pronta, será a primeira rede global de financiamento comercial bancário e multiempresarial.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander une-se a seis bancos para ajudar empresas a encontrar financiamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião