Siza Vieira é casado com dirigente da associação de hotelaria. Governo não vê incompatibilidades

  • Lusa
  • 18 Outubro 2018

O novo ministro da Economia tutela a área do Turismo, setor onde a sua mulher está presente ao dirigir a AHP, uma situação que, segundo o Governo, “não cria incompatibilidades”.

O novo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, tutela a área do Turismo, setor onde a sua mulher está presente ao dirigir a Associação de Hotelaria de Portugal (AHP), uma situação que, segundo o Governo, “não cria incompatibilidades”.

Cristina Siza Vieira, jurista, tornou-se em 2010 presidente executiva da AHP, depois de ter sido adjunta da presidência do Conselho de Administração da Amorim Turismo e diretora-geral do Turismo.

Questionados sobre eventuais incompatibilidades por causa das relações familiares existentes, fontes oficiais dos dois organismos garantiram estar afastado esse cenário.

Fonte oficial do gabinete de Pedro Siza Vieira referiu à agência Lusa que Cristina Siza Vieira é funcionária da AHP, que é uma “associação privada sem fins lucrativos”, que não “visa benefícios próprios”, mas antes “defender o coletivo” dos seus associados.

A mesma fonte sublinhou que quaisquer entradas em concursos, por exemplo para financiamentos europeus, têm regras definidas e júris, o que pressupõe “escrutínio dos processos”.

Também pelo lado da AHP, fonte oficial afastou qualquer possibilidade de “incompatibilidade ou conflito de interesses”, uma vez que Cristina Siza Vieira “desenvolve uma atividade no setor há mais de 20 anos”, sublinhando que a associação é “privada sem fins lucrativos”.

“A associação não visa o lucro”, afirmou a mesma fonte, que lembrou que a associação tem um presidente do Conselho Geral, que é eleito pelos associados, estando atualmente nesse cargo Raul Martins, proprietário dos hotéis Altis.

O mandato dos atuais órgãos sociais termina no final deste ano.

Pedro Siza Vieira, que já fazia parte do executivo, como ministro adjunto, substituiu Manuel Caldeira Cabral na pasta da Economia, que agrega agora quatro secretarias de Estado, a do Turismo (Ana Mendes Godinho), Economia (João Correia Neves), Defesa do Consumidor (João Torres) e da Valorização do Interior (João Catarino).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira é casado com dirigente da associação de hotelaria. Governo não vê incompatibilidades

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião