CGD prefere vender filiais em Espanha e África do Sul a Abanca e Capitec

  • ECO
  • 19 Outubro 2018

Banco público e Governo contam vender bancos em Espanha e África do Sul até final do ano. Paulo Macedo tem favoritos mas decisão final está do lado do Executivo.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já transmitiu ao Ministério das Finanças quais os candidatos preferidos para ficaram com as filiais em Espanha e na África do Sul. Vender o espanhol Banco Caixa Geral ao Abanca mantém-se no topo das preferências para a equipa de Paulo Macedo. Já o sul-africano Mercantile Bank é desejado que seja vendido ao Capitec.

A informação é avançada esta sexta-feira pelo Jornal de Negócios (acesso pago), que dá conta que o processo de venda das duas filiais deverá ficar fechado até final do ano.

No caso de Espanha, a imprensa espanhola adiantou que o Abanca surge bem posicionada para ficar com o negócio da CGD, apresentando a melhor proposta face à concorrência que inclui ainda o Cajamar e o fundo norte-americano Cerberus. As ofertas pelo Banco Caixa Geral rondam os 250 milhões de euros.

Na África do Sul, o Mercantile Bank tem quatro candidatos à sua compra: o consórcio composto pela Arise e Grindod, outro consórcio chamado Riqueza e formado pela Public Investment e pela Bayport Financial, o Capitec Bank e ainda o Nedbank Group.

Os compradores do Banco Caixa Geral e do Mercantile Bank terão de pagar logo 10% do valor da oferta à cabeça, o que deverá implicar prestações iniciais de 25 milhões de euros e de 6,4 milhões de euros pelos respetivos negócios espanhol e sul-africano.

A decisão relativamente ao comprador está nas mãos do Governo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD prefere vender filiais em Espanha e África do Sul a Abanca e Capitec

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião