Comprador da CGD em Espanha tem de pagar logo 25 milhões

Quem ficar com o espanhol Banco Caixa Geral terá de pagar uma prestação inicial de 25 milhões de euros. Já o comprador do sul-africano Mercantile Bank paga cerca de 6,35 milhões logo à partida.

O comprador do Banco Caixa Geral terá de pagar à cabeça uma prestação inicial de 25 milhões de euros, o que irá corresponder a cerca de 10% do valor que os interessados estão dispostos a desembolsar para ficar com o banco espanhol da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Já para ficar com o banco sul-africano Mercantile Bank, também da CGD, a primeira prestação rondará os 6,35 milhões de euros.

Os valores das prestações iniciais a pagar pelos dois bancos que a CGD está a vender em Espanha e África do Sul foram revelados em despachos publicados esta terça-feira em Diário da República, onde se informa ainda que os candidatos terão de apresentar garantias bancárias ou outro instrumento equivalente e que financeiramente correspondam à diferença entre a prestação inicial e o valor da proposta que oferecem.

Quanto ao Banco Caixa Geral, a imprensa espanhola fala em três candidatos, os bancos espanhóis Abanca e Cajamar e o fundo americano Cerberus. Todas as ofertas apresentadas rondam os 250 milhões de euros. Ou seja, a prestação inicial a pagar equivale a cerca de 10%.

Segundo o Vozpópuli, a entidade mais bem posicionada na corrida ao Banco Caixa Geral é mesmo o Abanca, que terá apresentado a oferta que mais agrada ao Governo português, isto apesar de, em termos exclusivamente financeiros, a melhor proposta ser do Cerberus.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”139″ slug=”lucros-da-cgd” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/thumbnail?version=1533051544260&locale=pt-PT&publisher=eco.pt” mce-placeholder=”1″]

Para o banco sul-africano da CGD, o Mercantile Bank, a prestação inicial fixada é de 111 milhões de rands, o que corresponde a cerca de 6,36 milhões de euros ao câmbio atual. São quatros os candidatos: o consórcio composto pela Arise e Grindod, outro consórcio chamado Riqueza e formado pela Public Investment e pela Bayport Financial, o Capitec Bank e ainda o Nedbank Group.

Relativamente à garantia, ela pode ser substituída por “um depósito bancário em garantia a favor da CGD ou por qualquer outro instrumento considerado adequado a servir a mesma finalidade”, segundo se lê nos despachos assinados pelo secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Comprador da CGD em Espanha tem de pagar logo 25 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião