BRANDS' ADVOCATUS Descodificador | O Novo Regulamento da E-Privacy

  • ECO + CMS
  • 19 Outubro 2018

João Santiago Silva, advogado da CMS, Rui Pena & Arnaut, explica o conceito de E-Privacy.

O que é a ePrivacy?

A ePrivacy representa fundamentalmente o respeito pela vida privada, a garantia da confidencialidade e a proteção de dados pessoais no âmbito das comunicações eletrónicas. Mas por que razão se ouve falar tanto de ePrivacy? Em grande medida, porque o utilizador comum, bem como as próprias empresas, estão cada vez mais dependentes de novos serviços disponibilizados através da Internet, que permitem comunicações interpessoais, tais como serviços VoIP (Voice Over Internet Protocol), mensagens instantâneas e/ou de correio eletrónico.

É por isso importante que as empresas se comecem a preparar para a substituição da atual Diretiva pelo novo Regulamento de ePrivacy (doravante, Regulamento) que se prevê entrar em vigor já em 2019.
Consequência da intenção de aumentar a confiança e a segurança na prestação de serviços digitais, o Regulamento visa elevar a proteção dos dados pessoais e da privacidade dos utilizadores finais no âmbito dos serviços de comunicações eletrónicas.

O que muda com o novo Regulamento?

O Regulamento de ePrivacy tem como principais objetivos (i) garantir um alinhamento com o RGPD, (ii) assegurar um maior nível de proteção aos utilizadores de serviços de comunicações eletrónicas e (iii) garantir a harmonização legal no EEE. Para tal, o Regulamento de ePrivacy introduz, entre outras, várias novidades:

  • Reforço da confidencialidade, pelo que qualquer interferência através da instalação de dispositivos de escuta, armazenamento, controlo, digitalização ou outras formas de interceção, vigilância ou tratamento de dados de comunicações eletrónicas é proibida sem o consentimento dos utilizadores finais, salvo em casos excecionais.
  • O âmbito de aplicação material é alargado, já que passa a abranger serviços anteriormente excluídos da aplicação da antiga Diretiva, como sejam serviços over the top (OTT), usualmente prestados através de uma ligação à rede de Internet de uma operadora de telecomunicações (e.g.WhatsApp, Facebook ou Gmail).
  • Deste modo, serviços de chamadas e/ou mensagens por via telefónica, a navegação na Internet, o envio e receção de e-mails e/ou outros serviços que permitam comunicações interpessoais entre utilizadores (e.g. plataformas de jogos online) serão afetados pelo impacto legal deste Regulamento.
  • Verifica-se um reforço da não discriminação entre pessoas singulares e pessoas coletivas, na medida em que as disposições do Regulamento visam garantir o mesmo nível de proteção a ambas. Tal resulta do entendimento de as comunicações eletrónicas poderem conter informações suscetíveis de serem confidenciais, designadamente segredos comerciais ou outras informações sensíveis e com valor económico.
  • Procede-se ao reforço da proteção dos metadados, pelo que se visa assegurar a confidencialidade não só do conteúdo propriamente dito das comunicações eletrónicas mas também dos referidos metadados que, não deixando de ser qualificados como dados pessoais, deverão ser anonimizados ou eliminados caso o utilizador final não preste o respetivo consentimento.
  • Há um reforço da proteção contra comunicações não solicitadas, tendo em consideração que, em alguns casos, poderá ser necessário recolher o consentimento prévio de pessoas coletivas nos termos do RGPD.
  • Realiza-se uma revisão das regras em matéria de cookies, na medida em que a proposta visa melhorar a navegação dos utilizadores finais na Internet. Para o efeito, a Comissão Europeia esclarece que não é necessário facultar o consentimento para a utilização de cookies não intrusivos.
  • Por fim, agrava-se o regime sancionatório, nomeadamente pela aplicação coimas que podem chegar a 20 milhões de euros ou 4% da faturação do volume de negócio anual.

Como é que as empresas se devem preparar?

As organizações devem proceder a uma abordagem holística e conjunta com o RGPD, de modo a identificar as obrigações específicas impostas pelo Regulamento.
Neste contexto, devem proceder (i) a um levantamento da sua situação atual, (ii) à análise das situações de não conformidade que sejam identificadas (gap analysis) e (iii) à implementação de medidas que visem mitigar o risco das situações identificadas e que permitam criar um ambiente de compliance com o Regulamento.
Por fim, ainda se aconselha que as organizações encarem este desafio como uma oportunidade para melhorar os seus produtos e serviços, bem como a sua eficiência e competitividade no mercado onde se inserem.

João Santiago Silva, Associado da CMS Rui Pena & Arnaut

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Descodificador | O Novo Regulamento da E-Privacy

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião