“Organizações ficam mais sérias e velhas quando deixam de inovar”

A Lego Serious Play é uma ferramenta que facilita a comunicação, o pensamento e a resolução de problemas e, por isso, é já utilizada por várias organizações em todo o mundo.

Quem disse que os líderes, diretores ou gestores não podem brincar com Lego? “Nós não deixamos de brincar quando ficamos velhos, nós ficamos velhos quando deixamos de brincar. É também o que acontece nas organizações, elas ficam mais sérias e mais velhas quando deixam de inovar”, explica Bruno Horta Soares, leading executive advisor da IDC Portugal.

A intervenção de Horta Soares no IDC Directions 2018, no Centro de Congressos do Estoril, trouxe ao palco um conjunto de peças de lego e quatro convidados de empresas diferentes, que aceitaram o desafio. Qual é o desafio? Construir modelos e representações, através destas pequenas peças utilizadas por muitos na infância.

A Lego Serious Play é uma ferramenta que facilita a comunicação, o pensamento e a resolução de problemas e, por isso, é utilizada por várias organizações, “que quando têm perante si a necessidade de discutir sistemas complexos e estratégias, recorrem a este tipo de metodologia”.

"Achamos, muitas vezes, que o oposto de trabalhar é brincar e jogar, mas está errado”

Bruno Horta Soares

Leading executive advisor da IDC Portugal

Achamos, muitas vezes, que o oposto de trabalhar é brincar e jogar, mas está errado. O oposto de play é estar deprimido, estar insatisfeito”, afirma.

Pedro Faustino, da Axians, Bruno Horta Soares, da IDC, e Pedro Quintas, da CollabHenrique Casinhas / ECO

Esta metodologia assenta em quatro passos: o primeiro é a pergunta, o segundo é a construção, o terceiro passa pela explicação e, por último, vem a reflexão. Contudo, o mais importante neste processo é construir algo. “Não tenham reuniões com vocês próprios. Basta construir”, aconselhou aos convidados.

Assim sendo, o primeiro desafio lançado aos quatro convidados é apenas que construam uma torre. Seguidamente, o desafio já não é tão simples, trata-se de construir um modelo do que gostam mais nas suas organizações, depois um boneco que represente as fraquezas das suas empresas e, também, as forças positivas, e por aí fora. Depois de construído cada modelo, um a um, os quatro explicam porque construíram as modelos daquela forma e o que significam.

O objetivo é que consigam explicar, comunicar com os outros e, no final do exercício, refletir sobre tudo o que foi discutido.

Daniela Monteiro, da Porto Digital, Miguel Fontes, da Startup Portugal, Bruno Horta Soares, da IDC, e Pedro Faustino, da AxiansHenrique Casinhas / ECO

Entre as peças de lego, a brincar se foram dizendo coisas mais sérias. Para Miguel Fontes, uma das maiores dificuldades de fazer com que a transformação digital avance como gostaria está relacionada com a diversidade. “As pessoas não andam todas ao mesmo ritmo, nem têm todas o mesmo nível de adaptação”, diz.

Para resultar é preciso que haja “transparência e clareza”, além de “uma visão 360 graus que tenha em conta a cultura da diversidade”, acrescenta. Já Pedro Faustino prefere destacar o fator velocidade como algo “determinante” para o sucesso deste processo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Organizações ficam mais sérias e velhas quando deixam de inovar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião