Documentos do chefe de gabinete podem comprometer ex-ministro Azeredo Lopes

  • ECO
  • 20 Outubro 2018

O ex-chefe de gabinete do antigo ministro da Defesa entregou ao MP documentos onde surge descrito o encobrimento de Tancos, escreve o Expresso. A informação pode comprometer Azeredo Lopes.

Os documentos entregues ao Ministério Público (MP) pelo ex-chefe de gabinete de Azeredo Lopes são os mesmos que já tinham sido entregues ao DCIAP pelo major Vasco Brazão. Neles, está relatada a operação de encobrimento da recuperação do material furtado em Tancos pela Polícia Judiciária Militar (PJM), escreve este sábado o Expresso (acesso pago).

Ou seja, segundo o semanário, o antigo chefe de gabinete do ministro da Defesa demissionário, o tenente-general Martins Pereira, estava na posse da informação de que a PJM tinha montado uma operação clandestina para recuperar o armamento roubado dos Paióis Nacionais de Tancos, o que corrobora a versão do ex-porta voz da PJM, Vasco Brazão.

A notícia pode ser comprometedora para Azeredo Lopes, mas falta saber se Martins Pereira vai testemunhar ter dado conhecimento do conteúdo do documento ao ex-ministro da Defesa. Azeredo Lopes sempre negou ter tido conhecimento da operação.

Este conjunto de documentos — que foi entregue há uma semana no MP por Martins Pereira e que coincide com o que foi entregue ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) por Vasco Prazão na terça-feira –, inclui o polémico memorando que descreve a operação de encobrimento e também uma “fita do tempo” sobre essa operação que decorreu na madrugada de 18 de outubro, na Chamusca, garante o semanário.

O Expresso sublinha que, agora que Azeredo Lopes saiu de cena — e também depois da demissão do chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte –, a estratégia do PSD e do CDS vai ser a de ir subindo na hierarquia. Os partidos vão tentar apurar se o ex-ministro da Defesa sabia da operação, e admitem mesmo interrogar o primeiro-ministro, António Costa, caso exista a mínima dúvida sobre se o chefe do Governo poderia saber do encobrimento (Costa poderá responder por escrito).

Este sábado, a RTP avança também que foi por ordem de Rovisco Duarte que o Exército impediu a entrada dos inspetores da PJ na Base Militar de Santa Margarida, para onde o material roubado foi transportado. Os inspetores terão ficado à entrada da base durante seis horas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Documentos do chefe de gabinete podem comprometer ex-ministro Azeredo Lopes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião