“É difícil resolver problemas do SNS com 201 milhões de euros”

  • Lusa
  • 21 Outubro 2018

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, criticou a proposta de OE, afirmando que a dotação de 201 milhões de euros para o SNS não chega para "resolver os problemas do SNS".

O bastonário da Ordem dos Médicos disse que, com a proposta de Orçamento do Estado para 2019, “é difícil” que a ministra da Saúde “ou qualquer outro ministro consiga resolver os principais problemas” do Serviço Nacional de Saúde.

“É difícil fazer isto com 201 milhões de euros que é o que está atribuído ao Serviço Nacional de Saúde [SNS]. (…) Este ano de 2018, em princípio, vai ser 4,8% do PIB. Em 2019, provavelmente, o valor ainda vai ser mais baixo. E, portanto, é difícil que esta ministra da Saúde ou qualquer outro ministro consiga resolver os principais problemas que neste momento se colocam aos portugueses e ao país na área da saúde”, afirmou Miguel Guimarães.

À margem do discurso de encerramento da cerimónia de entrega do Prémio de Mérito da Competência em Gestão dos Serviços de Saúde, atribuído ao clínico José Guimarães dos Santos, no Porto, Miguel Guimarães lembrou que “só médicos, faltam 5.500”, a que se juntam os milhares de enfermeiros, assistentes operacionais e técnicos em falta no SNS. Há ainda a necessidade de renovação de equipamentos que, segundo o bastonário, não vai ser resolvida com este orçamento, “a não ser que exista um orçamento adicional só para esta matéria”. A estas situações acresce a questão da estrutura hospitalar cujos problemas identificados, defende, dificilmente se resolverão.

Miguel Guimarães disse ainda que o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, “se enganou, com certeza”, quando afirmou que o Governo está a fazer um “esforço tremendo” de recuperação na área da saúde, defendendo que esse esforço “é basicamente dos profissionais”. “Há um ditado popular que diz que não é possível fazer omeletes sem ovos e aqui é a mesma coisa. As pessoas fazem um esforço imenso para tentarem melhorar ao máximo a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde, mas quem faz o esforço imenso não é o governo, nem é o secretário de Estado, quem faz o esforço imenso são os profissionais de saúde”, afirmou.

Para o bastonário, “são os profissionais de saúde que estão a entrar em burnout, que fazem milhares e milhares de horas extraordinárias, que depois dos 50 e dos 55 anos que podiam deixar de fazer urgência e continuam a fazer urgência”. Miguel Guimarães avisa, contudo, que os profissionais de saúde têm um limite e esse limite está a ser atingido.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, disse este sábado, em Coimbra, que o Governo está a fazer um “esforço tremendo” de recuperação na área da saúde, depois de um desinvestimento “brutal” do anterior Governo. “Terminamos com este orçamento [2019] a recuperação de mil milhões de euros de que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tinha sido alvo de desinvestimento por parte do Governo anterior”, disse o dirigente socialista, que participou num plenário de militantes para apresentar o orçamento do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“É difícil resolver problemas do SNS com 201 milhões de euros”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião