Se está de férias, o WhatsApp quer que “desligue” do trabalho

Em breve passará a ser possível responder a uma mensagem e ver uma fotografia dentro da notificação. Já o "modo férias" permite arquivar uma conversa e desativá-la por determinado período de tempo.

É já a aplicação de mensagens mais usada do mundo e, brevemente, terá um conjunto de novas funcionalidades disponíveis. Desde notificações com novas características até um novo modo que pretende que os utilizadores aproveitem melhor as férias, avança esta segunda-feira o El Mundo (acesso gratuito, conteúdo em espanhol).

Depois da possibilidade de adicionar uma fotografia ao estado, da reprodução de gifs, dos álbuns de fotos e da eliminação de mensagens depois de publicadas numa conversa, vêm aí mais novidades no WhatsApp, que pretendem melhorar os chats e as notificações de mensagens.

Quanto às últimas, vai passar a ser possível responder a uma mensagem dentro da própria notificação. Além disso, também se poderá ver logo a fotografia recebida dentro da notificação, algo que até agora ainda não acontece.

O WhatsApp está, também, a desenvolver uma nova forma de ocultar notificações, caso o utilizador assim o pretenda, já que o modo silêncio, o que faz com que a app passe a não mostrar que há novas mensagens em determinada conversa, já existe. Agora, passa a ter outra possibilidade, pensada para quem está de férias e quer mesmo “desligar” de tudo o que tem a ver com o trabalho. Chama-se “modo férias” e, depois de ativado, permite arquivar uma conversa, ocultando-a por determinado período de tempo. Assim, o chat de trabalho ficará desativado até que as suas férias terminem.

As novidades são muitas, mas nenhuma delas tem ainda uma data de lançamento marcada. Ainda assim, o “modo férias” deverá ser o que levará mais tempo a concretizar-se.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Se está de férias, o WhatsApp quer que “desligue” do trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião