Lisboa cai 1% em dia D para Itália

PSI-20 cai pelo terceiro dia, condicionado pelo BCP, Galp Energia e Jerónimo Martins. Segue perdas europeias num dia em que se aguarda uma resposta oficial da Comissão Europeia ao orçamento de Itália.

A bolsa nacional segue no vermelho pelo terceiro dia consecutivo, com o PSI-20 a deslizar em torno de 1%. O índice português está a ser condicionado pelo BCP, Galp Energia e Jerónimo Martins. Segue perdas europeias num dia em que se aguarda uma resposta oficial da Comissão Europeia ao orçamento de Itália.

O PSI-20 abriu a perder 0,9%, para os 4.973,81 pontos, com a quase totalidade dos títulos que o compõem em terreno negativo. Acompanha o sentimento negativo que se assiste um pouco por todos os índices bolsistas europeus, que renovam mínimos. Itália volta a estar no centro das atenções num dia em que volta a estar no centro do furacão. A bolsa de Milão recua também em torno de 1%, até mínimos de fevereiro de 2017, enquanto os juros da dívida soberana voltam a agravar.

Em Lisboa, o BCP é dos pesos pesados do PSI-20 aquele que mais perdas regista. As ações do banco liderado por Miguel Maya recuam 1,6%, para os 22,15 cêntimos, condicionadas pela instabilidade política e orçamental de Itália e pelo agravamento dos juros da dívida.

Nota ainda para a Galp Energia que vê os seus títulos recuarem 1,12%, para os 15,50 euros, num dia em que as cotações do petróleo estão no vermelho. O barril de brent cai 0,7% no mercado londrino, voltando a cotar abaixo dos 80 dólares.

Já as ações da retalhista Jerónimo Martins perdem 1,15%, para os 11,185 euros. Por sua vez, o título mais, penalizado é a Altr. As ações da papeleira recuam 2,55%, para os 7,25 euros.

Em terreno positivo destaque apenas para um título: a Sonae Capital. Na abertura da sessão subia uns ligeiros 0,14%, para os 73,40 cêntimos.

(Notícia atualizada às 8h22 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa cai 1% em dia D para Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião