Reformas antecipadas? “O que está no OE não é nenhuma retirada de direitos”

  • ECO
  • 23 Outubro 2018

O ministro Vieira da Silva considera que o que está no Orçamento sobre as reformas antecipadas é a melhoria dos direitos para um grupo significativo de pessoas.

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, considera que o que está no Orçamento do Estado (OE) para 2019, sobre a questão das longas carreiras e reformas antecipadas, é um compromisso que o Governo assumiu para que as pessoas que, aos 60 anos, têm 40 de carreira contributiva possam aceder à reforma, com uma penalização menor do que hoje existe.

Para o ministro, “o que está no OE não é nenhuma retirada de direitos, é uma melhoria dos direitos para um grupo significativo de pessoas”.

Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença (acesso pago), Viera da Silva esclarece que as pessoas que vão deixar de poder reformar-se antecipadamente — por não cumprirem o critério de aos 60 anos terem 40 anos de descontos — vão ter “um período de transição que irá garantir-lhes os seus direitos, mas não estarão na mesma situação dos outros”.

A duração desse período de transição é algo que ainda não está definido, precisa de ser discutido ainda na Concertação Social e no Parlamento. “O OE não fez a lei, apenas assumiu aquele compromisso”, afirma o ministro.

Quanto à surpresa do PCP, do BE e do PS, Vieira da Silva assegurou que o que está no Orçamento do Estado (OE) para 2019 foi negociado. “O que está no OE foi discutido e não ouvi ninguém contestá-lo. Outras questões que não estão lá escritas é outra discussão que será feita a seu tempo”, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reformas antecipadas? “O que está no OE não é nenhuma retirada de direitos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião