Há pré-acordo na Autoeuropa. Salários vão aumentar 5,8% nos próximos dois anos

  • ECO
  • 25 Outubro 2018

Administração chegou a um pré-acordo com os trabalhadores para aumentar os salários 2,9% por ano até 2020. Para além disso, pretende passar a efetivos 300 trabalhadores. Fábrica volta a parar 8 dias.

A Autoeuropa chegou a um pré-acordo com a comissão de trabalhadores para realizar aumentos salariais nos próximos dois anos, de acordo com as notícias avançadas pelo Dinheiro Vivo e pelo Jornal de Negócios. Assim, os funcionários vão ser aumentados 2,9% por ano e vão receber 100% dos salários por cada dia de fim de semana de produção.

Este acordo não é definitivo e terá ainda de ser votado por todos os funcionários da Autoeuropa. A votação deverá acontecer entre 5 e 9 de novembro, tendo em conta que a fábrica vai parar a produção este sábado, sendo retomada apenas a 3 de novembro. Uma interrupção que, de acordo com Fausto Dionísio, coordenador da comissão de trabalhadores, se deve à “falta de motores”.

Esta será a quarta paragem da Autoeuropa este ano (fevereiro, março, agosto e setembro) o que pode pôr em risco a meta da empresa de produzir 240 mil unidades em 2018.

“O pré-acordo já foi fechado e prevê o pagamento de um prémio de 100% ao domingo, aumentos salariais de 2,9% em cada um dos próximos dois anos e a passagem a efetivos, até julho de 2019, de 300 trabalhadores com contratos a prazo“, adiantou, ao Negócios, Fausto Dionísio.

Com este novo acordo, os trabalhadores da fábrica de Palmela passam a ser remunerados em 100% do valor do salário se trabalharem aos domingos, uma nova conquista, tendo em conta que isso já acontecia com os sábados. Relativamente aos aumentos salariais, estas subidas continuam abaixo dos 4% que estavam a ser exigidos pelos trabalhadores, com um valor mínimo de 36 euros, diz o Negócios.

Outro ponto alcançado foi a passagem de 300 trabalhadores com contratos a prazo para efetivos, um número que também fica abaixo dos 400 reivindicados. Contudo, essa data de mudança foi antecipada de setembro para julho do próximo ano.

(Notícia atualizada às 17h44 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há pré-acordo na Autoeuropa. Salários vão aumentar 5,8% nos próximos dois anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião