Tribunal dá razão aos trabalhadores contra a Autoeuropa. Domingo não é dia “normal”

  • Lusa
  • 9 Outubro 2018

Um grupo de oito trabalhadores da Autoeuropa apresentou uma providência cautelar a requerer que o domingo não seja considerado um dia de trabalho normal. A empresa vai recorrer da decisão.

O tribunal do Barreiro deu razão ao grupo de oito trabalhadores da Autoeuropa que interpôs uma providência cautelar a requerer que o domingo não fosse considerado como um dia de trabalho normal, revelou esta terça-feira a administração da empresa.

“O Tribunal proferiu uma decisão preliminar, aceitando a argumentação dos oito trabalhadores. Trata-se de uma decisão meramente preliminar, cujos efeitos se aplicam somente a este grupo”, refere, em comunicado, a administração da Autoeuropa, que anuncia a intenção de apresentar recurso. No comunicado, a Volkswagen Autoeuropa refere ainda que a decisão do tribunal “não afeta o modelo de horário de trabalho em vigor”.

Um trabalhador da Autoeuropa, que foi testemunha no processo, disse à agência Lusa que a decisão do tribunal do Barreiro “abre a possibilidade de se voltar a discutir o horário de laboração contínua, que engloba os domingos como um dia de trabalho normal” e criticou a reação da empresa à decisão do tribunal. “A argumentação da providência cautelar é válida para todos os trabalhadores embora, em termos legais, só seja aplicável aos oito trabalhadores requerentes“, defendeu.

O grupo de trabalhadores “Juntos pela Autoeuropa”, que integra os elementos que requereram a providência cautelar, alegou no tribunal do Barreiro que os novos horários não cumpriam a legislação em vigor, designadamente o período mínimo de descanso de 35 horas entre o final de um dia de trabalho e o reinício da atividade após um dia de folga. Por outro lado, acusou a Autoeuropa de não cumprir algumas disposições do contrato coletivo de trabalho, que não preveem o trabalho ao domingo no subsetor da montagem e em empresas em que as funções essenciais estejam relacionadas com a montagem.

Na audiência realizada em 24 de setembro, no tribunal do Barreiro, a testemunha indicada pela empresa, Margarida Silva, dos Recursos Humanos, afirmou que a Autoeuropa cumpriu todos os requisitos legais neste processo, acrescentando que trabalhadores tinham viabilizado os novos horários numa cláusula incluída no Acordo de Empresa para 2015/2016, aprovado por 76,3% dos funcionários da fábrica de Palmela.

Além da providência cautelar já decretada pelo tribunal do Barreiro, há uma outra providência cautelar semelhante que está a correr no tribunal de Sintra e que tem a segunda audiência marcada para 26 de outubro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal dá razão aos trabalhadores contra a Autoeuropa. Domingo não é dia “normal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião