Azeredo Lopes chamado a depor no caso de Tancos

  • ECO
  • 25 Outubro 2018

O ex-ministro da Defesa vai ser chamado a depor no DCIAP, na sequência do caso das armas desaparecidas em Tancos.

O ex-ministro da Defesa, Azeredo Lopes, vai ser chamado a depor pelos procuradores do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), depois de o ex-chefe de gabinete do próprio ter dito, o general Martins Pereira, esta quinta-feira, que tinha entregue o memorando ao ministro, avança esta manhã o Diário de Notícias.

De acordo com o jornal, Martins Pereira revelou que o antigo governante teve conhecimento do memorando, no qual eram assumidas ações “à margem a lei” na operação de recuperação do material de Tancos. É nesse contexto que Azeredo Lopes vai ser agora chamado pelo Ministério Público (MP) para explicar se conhecia ou não os contornos desse esquema. A Procuradoria-Geral da República esclareceu que, “neste momento”, o DCIAP não tem “qualquer diligência agendada no âmbito da designada “Operação Húbris”.

Além das declarações de Martins Pereira, pesam também sobre o ex-ministro as declarações do major Vasco Brazão (que está em prisão domiciliária). No seu interrogatório social, Brazão disse que Pereira telefonou, na sua presença, a Azeredo Lopes a explicar o conteúdo do memorando.

Recorde-se que o documento em causa foi entregue a Martins Pereira a 20 de outubro de 2017, dois dias depois de as armas terem sido encontradas juntamente com uma fita do tempo que descreve todas as ações realizadas desde o roubo até à apreensão material.

A operação de apreensão das armas causou suspeitas ao MP, que acabou por abrir um inquérito, que conclui que os militares da Polícia Judiciária Militar (PJM) tinham encenado essa operação e encoberto o principal suspeito do roubo. Sete militares da PJM e da GNR foram detidos, bem como um dos alegados autores do roubo das armas.

Notícia atualizada às 10.44.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Azeredo Lopes chamado a depor no caso de Tancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião