Bónus no IRS para emigrantes pode violar Constituição

  • ECO
  • 25 Outubro 2018

A diferença de tratamento do novo regime para emigrantes está a levantar dúvidas a alguns constitucionalistas e professores de Direito, sobretudo no que diz respeito ao princípio da igualdade.

O Programa Regressar, previsto na proposta de Orçamento do Estado para 2019 e que isenta do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) metade dos rendimentos de ex-residentes que voltem a Portugal está a suscitar algumas dúvidas quanto à sua constitucionalidade, avança esta manhã o Jornal de Negócios (acesso pago).

Este novo regime fiscal temporário permitirá, assim, excluir de tributação em sede de IRS metade dos rendimentos do trabalho dependente ou dos rendimentos empresariais e profissionais. Isto para todos os emigrantes que “tiveram de sair do país em consequência da crise económica que afetou Portugal” e que queiram regressar ao país, entre 2019 e 2020. A condição é que “não tenham residido em território nacional nos últimos três anos”. Os emigrantes têm, também, de ter vivido em Portugal antes de 31 de dezembro de 2015.

Em declarações ao jornal, alguns professores de Direito e constitucionalistas assumiram que a diferença de tratamento do novo regime pode violar o princípio da igualdade, presente na Constituição e que estabelece que todos os cidadãos são iguais perante a lei.

“O legislador devia ser prudente na fundamentação das medidas. Não se impede que haja discriminações. O que se exige é que haja fundamentação razoável, atendível, para eu dizer que essa [distinção] não é arbitrária”, defende Maria d’Oliveira Martins, professora de Direito Constitucional na Universidade Católica.

Uma vez que o Governo defendeu o benefício fiscal através da necessidade de promover o regresso dos que tiveram de sair do país em consequência da crise económica, Maria d’Oliveira Martins discorda das datas propostas. Na sua opinião, o regime devia, nesse sentido, aplicar-se a quem não viveu no país entre 2011 e 2014 e não nos três anos anteriores ao regresso.

Para o constitucionalista Luís Pereira Coutinho, a distinção entre cidadãos — os que permaneceram em Portugal nesse período e os que saíram — pode ser mesmo inconstitucional à luz do princípio da igualdade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bónus no IRS para emigrantes pode violar Constituição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião