Mais engenhos explosivos foram intercetados. Trump critica hostilidade dos media

  • Lusa e ECO
  • 25 Outubro 2018

Foram intercetados dois engenhos explosivos endereçados a Maxine Waters, uma congressista democrata, e ao ator Robert De Niro, que têm sido fortes críticos da administração Trump.

O FBI anunciou a interceção de dois engenhos explosivos endereçados à congressista democrata Maxine Waters, similares aos encontrados nas residências de Hillary Clinton, Barack Obama, George Soros e na redação de Nova Iorque da CNN.

“Confirmamos agora dois engenhos adicionais, ambos endereçados à representante Maxine Waters, que são similares em aparência”, aos cinco outros explosivos apreendidos anteriormente, pode ler-se na página oficial da rede social Twitter do FBI, divulgado quarta-feira à noite. Maxine Waters, congressista democrata afro-americana, eleita pelo estado da Califórnia, tem sido uma forte crítica da administração Trump.

Qualquer ato ou ameaça de violência política é uma ameaça à nossa democracia. Nenhuma nação poderá ser bem-sucedida se tolerar a violência ou a ameaça de violência como um método de intimidação política ou coerção”, afirmou Donald Trump em Wisconsin, durante um comício de apoio às campanhas do governador Scott Walker e da senadora estadual Leah Vukmir.

Por outro lado, o líder norte-americano criticou os media, que segundo ele têm responsabilidades no clima crispado que o país vive. “Os media têm a responsabilidade de definir um tom civilizado e acabar com a hostilidade interminável, ataques constantes e notícias negativas e às vezes falsas” disse.

Durante a quarta-feira, os “pacotes suspeitos” dirigidos a Hillary Clinton e a Barack Obama, foram intercetados pelo serviço federal norte-americano encarregado da sua proteção, pelo que não chegaram às mãos dos destinatários, indicaram os serviços secretos em comunicado.

De acordo com o diário The New York Times, que cita as forças da ordem, os dispositivos são semelhantes àquele que foi encontrado e detonado pela polícia na segunda-feira na residência do multimilionário e filantropo George Soros – outro famoso democrata -, em Bedford, a cerca de 60 quilómetros de Nova Iorque.

O Departamento de Segurança Nacional, do qual dependem os serviços secretos, indicou em comunicado que os pacotes foram “de imediato identificados como potenciais engenhos explosivos durante procedimentos de rotina de verificação do correio e foram tratados como tal”. Também as instalações da CNN no edifício Time Warner, em Manhattan, foram evacuadas perante a ameaça de uma possível bomba.

Restaurante de De Niro também recebeu pacote suspeito

Nesta quinta-feira, as autoridades norte-americanas encontraram mais engenhos semelhantes, desta vez endereçados a Robert De Niro. O pacote foi enviado para o edifício onde o ator tem vários negócios, incluindo uma produtora e um restaurante, em Nova Iorque, de acordo com a CNN (acesso livre/conteúdo em inglês).

A polícia da cidade removeu o pacote do Tribeca Grill, e não foi necessário evacuar o espaço porque se encontrava vazio. A fiscalização pelas autoridades foi reforçada na zona de Tribeca. Robert De Niro também criticou publicamente Donald Trump, como as outras figuras a quem os engenhos explosivos estavam endereçados.

(Notícia atualizada às 12h39)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais engenhos explosivos foram intercetados. Trump critica hostilidade dos media

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião