Revista de imprensa internacional

Os líderes chinês e japonês estão preocupados com a política comercial dos EUA, querem uma cooperação mais próxima. Já na Venezuela, o problema está relacionado com o sistema elétrico.

Os líderes chinês e japonês estão preocupados com a política comercial protecionista dos Estados Unidos e, por isso, querem estabelecer uma cooperação económica mais próxima. Já na Venezuela, o problema é outro e tem a ver com o sistema elétrico, que está colapsado. No mundo das empresas, o Burger King está empenhado no crescimento em Espanha. Vai abrir mais de três centenas de restaurantes no país e criar mais de dez mil postos de trabalho. O Facebook, por sua vez, está a utilizar a inteligência artificial para combater a exploração infantil e já removeu milhões de conteúdos considerados impróprios. E, por falar em inteligência artificial, já pensou se esta tecnologia criasse o seu próximo perfume? É verdade, pode acontecer.

Reuters

China e Japão procuram laços mais fortes, preocupados com política comercial protecionista dos EUA

Naquela que é a primeira visita oficial de um líder japonês à China em sete anos, Shinzo Abe e o líder chinês Xi Jinping vão encontrar-se na próxima sexta-feira. Durante o encontro, as disputas históricas e territoriais deverão ficar esquecidas e o foco estará em estabelecer uma cooperação económica mais forte e mais próxima. Os líderes estão ambos preocupados com a política comercial e protecionista do Presidente dos Estados Unidos da América (EUA).

Leia a notícia completa em Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

El Impulso

Sistema elétrico da Venezuela opera a apenas 10% da capacidade

Na Venezuela, o sistema elétrico está colapsado, operando apenas a 10% da capacidade. Na origem do problema, que está a afetar a qualidade de vida dos venezuelanos e a provocar apagões, está a falta de investimentos e manutenção. O alerta foi feito pelo presidente da Associação Venezuelana de Engenharia Elétrica, Mecânica e Profissões Afins (Aviem), Winston Cabas. “Não é normal que falte a luz como acontece. Temos um sistema elétrico instável, com falta de manutenção e de pessoal. Não há investimento, nem formação [de trabalhadores], apenas corrupção”, disse.

Leia a notícia completa em El Impulso (acesso livre, conteúdo em espanhol).

El Economista

Burger King vai criar 10.500 postos de trabalho em Espanha

A cadeia de hambúrgueres, principal rival do McDonald’s quer continuar a crescer em Espanha. Para isso pôs em marcha um plano de crescimento que inclui a contratação de 10.500 pessoas para novos postos de trabalho direitos. Além disso, o Burguer King pretende abrir um total de 350 novos restaurantes nos próximos quatro anos e, assim, alcançar os mil estabelecimentos em 2022. Já com uma presença sólida em grandes cidades como Madrid e Barcelona, o objetivo é, agora, entrar em sítios mais pequenos, com cerca de 25 mil e não mais do que 30 mil habitantes. A digitalização continua a fazer, também, parte da aposta.

Leia a notícia completa em El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Tech Crunch

Facebook utiliza inteligência artificial para combater exploração infantil

A rede social norte-americana acaba de anunciar que, durante o último trimestre, removeu quase nove milhões de conteúdos que violavam as regras do Facebook contra a exploração infantil. Essa remoção teve a ajuda da nova tecnologia de inteligência artificial (IA), que foi desenvolvida e implementada no ano passado pela empresa.

Leia a notícia completa em Tech Crunch (acesso livre, conteúdo em inglês).

Engadget

IBM prepara perfume através da inteligência artificial

A empresa de informática e tecnologias da informação, IBM, está a desenvolver perfumes através da inteligência artificial. Apesar de a ideia de criar uma fragrância ser uma arte muito humana, o objetivo é utilizar a tecnologia para filtrar milhares de ingredientes, fórmulas e tendências da indústria. A empresa de informática criou, no Centro de Pesquisa Thomas J. Watson, em Nova Iorque, um algoritmo, o Philyra, que estuda fórmulas de fragrâncias já existentes e compara os ingredientes com outros dados, como a localização e a idade dos clientes. O algoritmo é capaz de desenvolver novos perfumes, que pretendem atingir segmentos de mercado muito específicos.

Leia a notícia completa em Engadget (acesso livre, conteúdo em inglês).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião