Bancos têm 28 mil milhões parados que não estão a ser usados para dar crédito

Bancos tinham no final de junho cerca de 28 mil milhões de euros em depósitos que não estavam a ser canalizados para empréstimos, dinheiro parado que penaliza a rentabilidade das instituições.

Entre os alertas de excesso no crédito às famílias e as críticas relativas ao medo que têm em emprestar dinheiro às empresas, os bancos vivem hoje em dia uma situação excecional no que toca às disponibilidades para conceder crédito à economia. Segundo os dados mais recentes do Banco de Portugal, o sistema financeiro nacional tinha no final de junho cerca de 28 mil milhões de euros parados e que podiam ser canalizados para a economia.

Os bancos têm como função principal emprestar às famílias e empresas o dinheiro que recebem dos depósitos, fazendo negócio com a diferença dos juros recebidos pelos empréstimos e os juros pagos nos depósitos (margem financeira). Porém, entre empréstimos concedidos e depósitos dos clientes, tinham no seu balanço aproximadamente 28 mil milhões de euros que foram depositados e não estão a ser usados para crédito, penalizando a sua rentabilidade — isto para que o total do crédito fosse igual aos depósitos (100%), sendo que o Banco de Portugal assume o rácio de 120% como um nível recomendável (a CGD, por causa da ajuda estatal, não pode passar de 100%).

A diferença entre crédito e depósitos agravou-se em cerca de nove mil milhões de euros só no último trimestre, terminado em junho, de acordo com os dados do Sistema Bancário Português. Este cenário que contrasta com aquilo que era a prática dos bancos antes da crise, quando tinham mais dinheiro emprestado à economia do que aquele que estava depositado nos seus cofres — em dezembro de 2013, o gap comercial era positivo em 30 mil milhões de euros. Ou seja, tinham concedidos mais 30 mil milhões do que o valor em depósitos. Em 2007, o rácio de transformação chegava a 160%.

Fonte: Banco de Portugal

Esta evolução resulta sobretudo do facto de os depósitos de clientes terem aumentado “significativamente no segundo trimestre de 2018, em particular no segmento das sociedades não financeiras [as empresas]”, diz o Banco de Portugal. Isto apesar do ambiente de juros baixos promovido pelas políticas do Banco Central Europeu. O “ativo total [ou seja, os créditos] do sistema bancário aumentou no segundo trimestre de 2018, invertendo a tendência de queda verificada nos últimos anos”, mas muito menos que as aplicações nos bancos.

A concessão de crédito ganhou visibilidade este ano, com os sucessivos alertas do Banco de Portugal e, ultimamente, do Governo, em relação a eventuais excessos que os bancos devem evitar para não repetirem erros do passado e que representam ainda um fardo para as instituições financeiras. Estes alertas prendem-se essencialmente com os novos montantes concedidos para a compra de habitação, mas também para o consumo por parte das famílias.

António Costa, esta semana, menorizou os avisos que têm sido feitos tanto cá dentro como lá fora — até porque o stock de crédito às famílias continua estável. Mas não deixou de criticar a postura dos bancos em relação às suas políticas de concessão de crédito mais “comodistas”, olhando para as empresas. “Os bancos têm de ganhar uma cultura de maior risco como é o crédito empresarial e não podem acomodar-se exclusivamente no crédito ao consumo das famílias ou no crédito de compra de habitação”.

Em resposta, Faria de Oliveira rejeitou as críticas do chefe do Governo, recusando qualquer discriminação dos bancos. “Tem havido um maior aumento do volume de crédito ao consumo e à habitação em função exatamente da situação do mercado e não por haver uma discriminação em relação ao segmento de concessão de crédito por parte do setor bancário”, disse. “Tomara que o sistema bancário possa conceder muito mais crédito às empresas”, sublinhou ainda, notando que os bancos não devem facilitar na avaliação do risco sob pena de comprometerem a sua solidez.

Malparado pesa, mas rendibilidade aumenta

Estes 28 mil milhões que os bancos têm em excesso são euros que não só não estão a render juros — como é intenção dos bancos quando os concedem em novos financiamentos –, como custam milhões aos bancos. Tendo em conta que o BCE mantém a taxa de juro de depósitos negativa, em -0,4%, ter estes milhares de milhões nos “cofres” obriga os bancos a pagarem para que o valor seja guardado — podem conceder empréstimos no mercado interbancário, mas mesmo esse continua com taxas abaixo de zero.

O gap comercial junta-se a outro travão aos lucros dos bancos: o malparado. Só no primeiro semestre do ano, foram vendidos mais de 4,5 mil milhões de euros em malparado, obrigando as instituições financeiras a reconhecerem perdas nas suas contas. E o esforço para limpar o balanço destes ativos tóxicos vai continuar nos próximos anos.

A Caixa Geral de Depósitos está a fechar a venda de uma carteira de 850 milhões de euros de malparado do segmento das empresas. E o Novo Banco tem um projeto chamado Operação Nata e que passa pela venda de um portefólio de crédito em incumprimento no valor de 1,75 mil milhões de euros, o maior de sempre em comercialização em Portugal até à data.

Apesar do impacto negativo que libertar estes ativos tem nos resultados do sistema, os bancos conseguiram, em termos globais, registar uma melhoria. A rendibilidade do sistema “aumentou de forma significativa no primeiro semestre de 2018, em termos homólogos, traduzindo uma redução do fluxo de imparidades e provisões, em especial para crédito, bem como a redução dos custos com pessoal”, diz o Banco de Portugal.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Bancos têm 28 mil milhões parados que não estão a ser usados para dar crédito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião