Revista de imprensa internacional

Na Google, quase meia centena de funcionários foram despedidos por assédio sexual. Continuando pelas tecnológicas, a Microsoft e a Amazon estão a apostar no Médio Oriente.

O setor da aviação está preocupado com os ataques cibernéticos, que violam os dados pessoais dos passageiros das companhias. Já na Google, as preocupações são outras: quase meia centena de funcionários foram despedidos por assédio sexual. Continuando pelas tecnológicas, a Microsoft e a Amazon estão a apostar no mercado no Médio Oriente, onde os serviços da cloud estão a crescer. O que também está a crescer é a fortuna dos multimilionários que no ano passado aumentou 20%.

The Wall Street Journal

British Airways diz que violação de dados é maior do que o estimado

A International Consolidated Airlines Group SA, empresa que controla a British Airways, disse que, este ano, o ataque cibernético a dados de passageiros foi muito maior do que o estimado inicialmente. O anúncio surgiu poucas horas depois de a Cathay Pacific Airways Ltd., uma das maiores companhias aéreas da Ásia, ter dito que mais de nove milhões dos seus passageiros foram alvo de roubo de dados pessoais, como nome, nacionalidade, data de nascimento, número de telefone, e-mail, endereço, números do passaporte e do cartão de identificação e histórico na companhia.

Leia a notícia completa em The Wall Street Journal (acesso pago, conteúdo em inglês).

The New York Times

Google despediu 48 funcionários por assédio sexual nos últimos dois anos

A gigante tecnológica tomou medidas em relação ao assédio sexual no local de trabalho. Sundar Pichai, diretor-geral da Google, anunciou que a empresa despediu 48 funcionários por alegado assédio sexual, durante os últimos dois anos. Num documento interno dirigido aos funcionários, depois de o New York Times ter referido que a Google tinha abafado alguns casos, Pichai explicou que entre os empregados despedidos estão 13 altos funcionários e acrescentou que nenhum deles recebeu qualquer indemnização.

Leia a notícia completa em The New York Times (acesso pago, conteúdo em inglês).

The Guardian

Bilionários estão mais bilionários. Ficaram 20% mais ricos em 2017

O UBS revela que os multimilionários do mundo ganharam mais dinheiro no ano passado do que em qualquer outro ano na história, desde que se tem registo. As pessoas mais ricas do planeta aumentaram, assim, a sua riqueza em um quinto, para quase nove biliões de dólares.

Leia a notícia completa em The New York Times (acesso livre, conteúdo em inglês).

Bloomberg

Microsoft e Amazon veem serviços da nuvem crescer no Médio Oriente

Graças às ambições por parte do Governo, a região do Médio Oriente é um dos mercados onde a Microsoft e a Amazon mais sentem que os serviços da cloud estão a crescer. Para o ano, as tecnológicas esperam que a atividade seja ainda maior. A Microsoft está a planear um data center em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. A Amazon, por sua vez, abrirá um centro no Bahrein, Golfo Pérsico. “O potencial é enorme, dadas as ambições do setor público e procura por inovação”, diz Megha Kumar, analista da IDC Reserach Inc. no Dubai.

Leia a notícia completa em Bloomberg (acesso livre, conteúdo em inglês).

Business Insider

Fabricar diamantes no micro-ondas. Assim será a próxima revolução da indústria joalheira

Diamantes e micro-ondas parecem, à partida, palavras que não estariam na mesma frase. Mas, a verdade é que, não só estão, como uma fabrica a outra. Tecnologia como a inteligência artificial, a internet das coisas ou o big data têm vindo a assumir o protagonismo da transformação digital, que está a mudar todo o tipo de setores, naquela que já é considerada a quarta revolução industrial. No setor da joalharia, a próxima revolução será fabricar diamantes “perfeitos” no micro-ondas, o que, em teoria, servirá para acabar com o negócio dos “diamantes de sangue” e será uma alternativa mais barata e preocupada com o ambiente.

Leia a notícia completa em Business Insider (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião