A quatro dias da “lei Uber”, empresas não conseguem obter licenças

  • ECO
  • 27 Outubro 2018

A 1 de novembro entra a vigor a lei que vai regularizar a atividade das plataformas de transporte de passageiros mas, até à data, o IMT ainda não tem os formulários para a obtenção dessas licenças.

A apenas quatro dias de entrar em vigor a “lei Uber”, que visa regular plataformas como a Uber ou a Taxify, as empresas não conseguem obter licenças, uma vez que no site do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), ainda não estão disponíveis os formulários necessários nem qualquer tipo de informação. De acordo com Diário de Notícias (acesso condicionado), o balcão onde o processo de licenciamento deve ser realizado está ainda “em fase de testes”.

A partir de 1 de novembro, todas as plataformas de transporte de passageiros têm de regularizar as atividades, através da obtenção de licenças, um processo que tem de ser feito no site do IMT. Contudo, até à data, ainda não há informação sobre isso. “A quatro dias do início da entrada em vigor da lei, plataformas, operadores e motoristas nada sabem sobre como iniciar o processo de licenciamento“, disse ao DN Ana Mendes Lopes, da Asa Lawyers, representante de várias empresas parceiras da Uer e da Chauffeur Privé.

“As preocupações das plataformas e dos operadores prendem-se com os prazos de implementação das normas e com a forma como o negócio vai ser reformulado face às novas regras“, explica, revelando que tem contactado várias vezes o IMT, mas as respostas que recebe dizem que ainda não há informação sobre o assunto. “Se esperámos dois anos até a lei sair, provavelmente teremos de esperar outros dois até ficarem definidos os procedimentos de licenciamento”, diz.

Do lado do IMT, a justificação é que “a lei tem um período transitório da adaptação dos operadores de quatro meses” e que “este prazo pode ser prolongado por deliberação” da própria instituição. “Todos os modelos que estão previstos serem aprovados pelo IMT já foram aprovados. Não existem formulários ainda disponíveis visto que a lei permite que o pedido dê entrada por qualquer meio, inclusive por email“, esclareceu o IMT, ao DN.

O pedido de licenciamento deverá ser feito através do preenchimento do formulário disponibilizado no balcão do IMT mas, como diz a instituição, ainda não está disponível. “Estamos em fase de testes para a implementação da solução do balcão do empreendedor“, afirmou o IMT. Para quem não cumprir com as novas regras estão previstas coimas entre os 2.000 e os 4.500 euros para singulares e entre os 5.000 e os 15.000 euros para empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A quatro dias da “lei Uber”, empresas não conseguem obter licenças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião