Netinvoice está para as faturas como a Uber para o transporte

A startup vai desenvolver soluções tecnologicamente inovadoras que façam a ligação, ao nível das empresas de pequena dimensão, entre a necessidade de liquidez e a vontade de retorno dos investidores.

Acreditando que as pequenas empresas são, hoje em dia, mais bem geridas do que há uns anos e que são, no geral, “fantásticas”, a Netinvoice surge a pensar nas micro, pequenas e médias empresas (PME). O objetivo é — conscientes também que estes organismos precisam de financiamento a curto prazo e que o Estado lhes aparece como um obstáculo — ajudá-los a desenvolverem-se, afastando o endividamento.

A startup quer criar soluções tecnologicamente inovadoras que façam a ligação, ao nível das empresas de pequena dimensão, entre a liquidez e o retorno. Ou seja, entre a necessidade de liquidez que as pequenas empresas têm e a vontade de retorno dos investidores.

Com uma forte aposta na plataforma tecnológica, António Varela, o fundador da startup, quer “fazer com a Netinvoice nas faturas aquilo que a Uber fez no que diz respeito ao transporte”.

“Quem está com dívidas não tem poder de negociação, portanto, tem menos poder de propostas aos clientes. Atualmente, as empresas não conseguem crescer por causa disto, têm o dinheiro bloqueado em faturas”, explica António Varela, fundador da Netinvoice e ex-administrador do Banco de Portugal (BdP), durante a conferência de imprensa de apresentação do seu mais recente projeto.

A palavra-chave neste processo é precisamente “faturas”. A startup pensada pelo ex-administrador do BdP é 100% portuguesa e destina-se à transação de faturas, entre pequenas e médias empresas (PME) — que as vendem — e investidores profissionais — que as compram. O propósito é, desta forma, antecipar liquidez, otimizar a tesouraria e, em última instância, fazer com que as empresas possam investir e crescer. “Passar do ciclo vicioso de tesouraria para o ciclo virtuoso de crescimento”, sintetiza.

"Passar do ciclo vicioso de tesouraria para o ciclo virtuoso de crescimento.”

António Varela

Fundador da Netinvoice

A principal vantagem para as empresas — que têm faturas por receber — de se registarem na Netinvoice passa pela rapidez com que podem receber o montante em dívida. Mais precisamente, 90% no momento e os restantes 10% numa fase posterior. “Esta divisão serve apenas para assegurar o alinhamento de interesses [entre as partes] para que o dinheiro seja devolvido”, explica o ex-administrador do Banco de Portugal.

Além destas, existem outros fatores que a Netinvoice considera jogarem a seu favor. Este serviço não tem necessidade de fidelização, a fatura não tem um valor mínimo, a transação é um processo rápido e, graças à plataforma mobile, é possível aceder em qualquer lugar, a qualquer momento.

Mas como tudo isto funciona? Passo-a-passo

Tudo acontece online. A Netinvoice é uma plataforma exclusivamente digital, que “pertence plenamente ao século XXI”.

  1. Primeiro, as empresas interessadas têm de se registar através do site da Netinvoice, que apesar de só ser lançado oficialmente na próxima sexta-feira, já está a funcionar desde o início de setembro. Este processo, de registar uma fatura, demora menos de quatro minutos;
  2. A Netinvoice verifica, eletronicamente, a fatura e, caso a mesma esteja correta, submete-a ao cliente;
  3. Uma vez que o cliente diga que a fatura é, de facto, válida, é feita a análise e score para avaliar o risco e é transmitido ao comprador;
  4. Por sua vez, o comprador, com base nessa informação, faz uma oferta de compra;
  5. O sistema confirma todas as ofertas feitas no mercado e o investidor que tiver feito a oferta mais elevada é o que vai comprar a fatura.

Nos momentos seguintes, o comprador envia o dinheiro corresponde à fatura para a Netinvoice e esta dá o dinheiro à empresa, que não tem mais de pensar nessa fatura. “A fatura passou a ser de outra entidade”, explica. Quanto o devedor pagar a fatura, já não vai pagar àquela empresa, mais sim à Netinvoice, que a vai pagar ao investidor.

No meio deste processo, a startup vai cobrar uma comissão a cada uma das partes, que anda à volta de 1% e 1,95%.

“O que seria meramente uma espera da empresa que o cliente que pagasse, é substituída por uma venda imediata e é o investidor que vai fazer esse financiamento, através da compra desse compasso de espera”, diz.

“A natureza do mercado financeiro vai mudar”

António Varela considera que as fintech estão já a mudar a forma como nos relacionamos com o dinheiro. “A natureza do mercado financeiro vai mudar e aquilo que a Netinvoice pretende é ser uma das primeiras empresas a fazer, de facto, essa revolução”, explica.

A nossa vocação não é tirar o negócio aos bancos. A nossa vocação é permitir fazer negócios que não podiam ser feitos até à data”, disse Varela, acrescentando que o Banco CTT é o principal parceiro. Além disso, “qualquer banco pode ser investidor”. A ideia é mostrar que há negócios complementares à atividade bancária.

Com um investimento que ronda até agora um milhão de euros, a equipa da Netinvoice está convencida que se trata de um negócio inovador, com potencial e um mercado enorme. A próxima paragem é, agora, no Web Summit, onde a startup portuguesa vai marcar presença.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Netinvoice está para as faturas como a Uber para o transporte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião