Portugueses gastaram mais de mil milhões nas férias de verão no estrangeiro

Entre julho e setembro, os portugueses gastaram 1.093 milhões de euros em compras com cartões no estrangeiro, revela o Banco de Portugal. Ou seja, 24% acima do registado no período homólogo.

Os portugueses não parecem ter olhado a despesas nas férias de verão no estrangeiro. De acordo com o Banco de Portugal (BdP), entre julho e setembro deste ano, desembolsaram mais de mil milhões de euros com os respetivos cartões bancários nas viagens para fora de Portugal. Ou seja, mais 24% face ao verificado no verão do ano passado.

“Nos últimos cinco anos, as compras efetuadas com cartões portugueses no estrangeiro têm crescido progressivamente”, começa por dizer a instituição liderada por Carlos Costa. Relativamente a este ano, é salientado um novo recorde das compras no estrangeiro: 22,2 milhões de operações, no valor de 1.093 milhões de euros, nos meses de julho, agosto e setembro.

Estes números representam “o maior crescimento relativamente ao período homólogo” dá conta o BdP: 34% em quantidade e 24% em valor.

Evolução das operações com cartões e montantes

Nestes meses, em cada compra no estrangeiro com um cartão português foram gastos, em média, 49 euros, tendo o pico das compras no estrangeiro acontecido em agosto. Nesse mês ocorreram 7,7 milhões de operações, no valor global de 384 milhões de euros.

Nos três meses do verão, a maior parte das compras foram efetuadas no Reino Unido, em Espanha e nos Países Baixos, representando um peso de 22%, 18% e 14% do número total de compras efetuadas no estrangeiro, respetivamente.

Em valor, os portugueses gastaram mais em Espanha, no Reino Unido e em França. Esses países representaram, respetivamente, 25%, 20% e 11% do montante total de compras efetuadas no estrangeiro com cartões emitidos em Portugal, adianta o BdP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses gastaram mais de mil milhões nas férias de verão no estrangeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião