147,3 milhões de eleitores brasileiros chamados hoje a votar

  • Lusa
  • 28 Outubro 2018

Até ao momento, Jair Bolsonaro lidera as intenções de voto, de acordo com a última sondagem, onde alcançou 56% da preferências dos brasileiros, contra 44% do seu adversário Fernando Haddad.

Cerca de 147,3 milhões de eleitores são chamados este domingo às urnas para decidir quem será o próximo Presidente da República brasileiro, numa disputa entre a extrema-direita com Jair Bolsonaro e a esquerda com Fernando Haddad.

Além da corrida pelo cargo de Presidente, os brasileiros terão também de escolher os próximos representantes no Parlamento (Câmara dos Deputados e Senado) e nos Governos regionais que não ficaram definidos na primeira volta, que se realizou a 7 de outubro. As urnas de voto serão abertas pelas 08h00 (11h00 em Lisboa) e têm o seu encerramento previsto para as 17h00 de cada fuso horário. As últimas urnas eletrónicas a fechar serão no Estado do Acre, 22h00 em Lisboa.

O sistema de voto brasileiro é feito através de urnas eletrónicas, e, caso enfrentem um problema técnico, serão trocadas por outra do mesmo tipo ou pelo sistema tradicional de voto de boletim em urna. Até ao momento, Jair Bolsonaro lidera as intenções de voto, de acordo com a última sondagem, onde alcançou 56% da preferências dos brasileiros, contra 44% do seu adversário Fernando Haddad.

No entanto, a diferença da intenção de voto entre os candidatos presidenciais tem vindo a diminuir, tendo registado uma queda de seis pontos apenas numa semana, de acordo com a sondagem divulgada na noite de quinta-feira pelo Instituto Datafolha. No anterior levantamento divulgado pelo mesmo instituto, a diferença era de 59% dos votos válidos para Bolsonaro e 41% para Haddad.

Esta é já considerada uma das eleições mais atípicas das últimas décadas, tendo sido marcada por várias polémicas e por uma forte polarização política entre a extrema-direita e a esquerda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

147,3 milhões de eleitores brasileiros chamados hoje a votar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião