Sete PME portuguesas recebem financiamento para desenvolverem projetos inovadores

  • Lusa
  • 29 Outubro 2018

Estas sete empresas juntam-se a outras 88 PME portuguesas que, desde 2014, foram financiadas pelo Instrumento PME (Fase 1), para desenvolverem projetos na área da inovação.

Sete Pequenas e Médias Empresas (PME) portuguesas receberam um financiamento de 50 mil euros cada no âmbito de um instrumento financeiro do programa de investigação Horizonte 2020, anunciou esta segunda-feira a Comissão Europeia.

Estas sete empresas, salientou o comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, juntam-se a outras 88 PME portuguesas que, desde 2014, foram financiadas pelo Instrumento PME (Fase 1), para desenvolverem projetos na área da inovação.

As PME portuguesas distinguidas foram os seguintes:

  • Watgrid, de Aveiro, que potencia a monitorização remota e em tempo real de informação fundamental para o processo vinícola,
  • FuncionalST, de Braga, pela utilização de ressonância eletromagnética com o fim do tratamento de águas,
  • Improveat, de Braga, que com a tecnologia Impearl promete revolucionar a indústria alimentar,
  • Delox, de Cascais, que desenvolve uma formulação do peróxido de hidrogénio vaporizado que baixa os custos da descontaminação hospitalar,
  • Flaner, de Lisboa, pelo desenvolvimento de uma plataforma ‘software’ que torna mais eficaz a recolha de informação de um conteúdo informático,
  • Mercurius Health, de Lisboa, que com a plataforma Mercuris Connect permite que pacientes oncológicos acedam a profissionais de radioterapia mais especializados
  • Nexlys, de Marinhais, que desenvolve uma ferramenta de realidade aumentada para dar apoio a agricultores.

O instrumento PME contemplou, na primeira fase, 246 PME de 24 países europeus. Cada PME vai receber 50 mil euros para desenvolver o plano de negócio dos projetos apresentados.

Nesta fase Portugal é o 12º país com mais PME selecionadas

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sete PME portuguesas recebem financiamento para desenvolverem projetos inovadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião