Revista de imprensa internacional

BP supera expectativas e EUA querem subir o tom da guerra comercial. Reino Unido vai taxas receitas das gigantes tecnológicas e o "Trump dos Trópicos" quer flexibilizar porte de armas.

No dia em que se conhecem os (excelentes) resultados da BP, os Estados Unidos voltam a ameaçar a China com novas tarifas. Por falar em impostos, o Reino Unido vai criar uma nova taxa sobre as receitas das gigantes tecnológicas. Do outro lado do oceano, Bolsonaro faz valer o apelido de “Trump dos trópicos” e assume a flexibilização do porte de arma como prioridade. A Apple investiga uma das suas fábricas por suspeitas de trabalho forçado.

CNBC

Lucros da BP mais do que duplicam e atingem máximos de cinco anos

À boleia da subida dos preços do “ouro negro”, os lucros da petrolífera BP mais do que duplicaram, ultrapassando largamente as estimativas dos analistas. No terceiro trimestre do ano, a britânica registou um resultado líquido de 3,8 mil milhões de dólares (3,3 mil milhões de euros), que compara com os 1,86 mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros) contabilizados no ano anterior e com os 2,8 mil milhões de dólares (quase 2,5 mil milhões de euros) do segundo trimestre do ano. “As operações estão correr bem e estamos a trazer novos barris, com margens maiores, para a produção”, sublinha o CEO da BP. Leia a notícia completa na CNBC (acesso livre / conteúdo em inglês).

Bloomberg

Se Jinping e Trump não se entenderem, EUA vão aplicar mais tarifas

Os Estados Unidos planeiam aplicar mais tarifas às importações chinesas, se as negociações entre Donald Trump e Xi Jinping não chegarem a bom porto. Os dois líderes têm encontro marcado no próximo mês, mas os norte-americanos já estão prontos para, em dezembro, aplicar taxas alfandegárias a todos os produtos com origem chinesa que ainda não foram alvo da guerra comercial. Em causa poderão estar produtos no valor de 257 mil milhões de dólares (225,6 mil milhões de euros). Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso condicionado / conteúdo em inglês).

Wall Street Journal

Reino Unido vai criar imposto sobre gigantes tecnológicas

A partir de 2020, o Reino Unido vai aplicar um novo (e inédito) imposto sobre as receitas geradas localmente pelas gigantes tecnológicas. A nova taxa poderá trazer mais de 500 milhões de dólares (439 milhões de euros) aos cofres do Estado britânico, todos os anos, e representa uma das medidas mais avançadas de sempre na definição da fiscalidade digital. O imposto está agora a ser discutido, no âmbito do Orçamento britânico para o próximo ano. Leia a notícia completa no Wall Street Journal (acesso pago / conteúdo em inglês).

Valor Económico

Flexibilização do porte de armas será prioridade de Bolsonaro

“A arma de fogo, mais do que garantir a vida, garante liberdade do povo”. As palavras são do novo Presidente eleito do Brasil, que elegeu a flexibilização do porte de armas como uma das prioridades do seu Governo. Segundo Jair Bolsonaro, tal medida deverá “diminuir a violência”. O novo líder minimizou ainda a possibilidade dessa flexibilização gerar um aumento de número de mortes e incidentes. “Se pensar dessa maneira, vamos proibir os carros no Brasil”, disse. Leia a notícia completa no Valor Económico (acesso livre).

The Guardian

Apple investiga fábricas chinesas por suspeitas de trabalho forçado

A Apple está a investigar uma das suas fábricas no sudoeste da China, depois de um grupo de ativistas ter denunciado o uso de trabalho forçado. Em causa estão jovens estudantes que estarão a ser obrigados a “trabalhar como robôs” na construção de um dos equipamentos mais populares da marca da maçã: o Apple Watch. De acordo com a denúncia, pelo menos 28 desses operários admitem que não se candidataram às posições em causa. Na verdade, tinham escolhido estagiar nessa fábrica. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre / conteúdo em inglês).

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião