Energéticas e banca poupam milhões em benefícios fiscais

  • ECO
  • 31 Outubro 2018

O Estado português concedeu, no ano passado, um total de 2,56 mil milhões de euros em benefícios fiscais, distribuídos por 35.419 contribuintes.

As empresas do setor energético e a banca foram as entidades que mais pouparam através de benefícios fiscais atribuídos pelo Estado no ano passado. Ao todo, segundo os dados publicados esta semana pela Autoridade Tributária e avançados pelo Expresso (acesso pago) e pelo Correio da Manhã, o Estado português concedeu benefícios fiscais de 2,56 mil milhões de euros em 2017, distribuídos por 35.419 contribuintes.

A EDP Gestão da Produção, empresa do grupo EDP, ocupa o primeiro lugar da lista dos beneficiários, com poupanças de 108 milhões de euros, por via da isenção de ISP às suas centrais elétricas. Segue-se o fundo de pensões da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que poupou 61,3 milhões de euros em IRC no ano passado, e o fundo de pensões do grupo EDP, com poupanças de 61,2 milhões.

Na quarta posição, volta a surgir o setor bancário, no caso o fundo de pensões do BPI, com benefícios de 43,7 milhões. No top 10 das entidades com maiores benefícios fiscais no ano passado, seguem-se a Petrogal (empresa do grupo Galp), com quase 43 milhões de euros, a Peugeot (39,5 milhões), a Renault (37,2 milhões), a Citröen (37 milhões), o fundo de pensões do BCP (37 milhões) e a Carbopego (34,6 milhões).

Feitas as contas, os benefícios fiscais concedidos às grandes empresas, fundações e autarquias aumentaram em 85 milhões de euros face ao que tinha sido registado em 2016, com a maior fatia a ir para os descontos no IRC.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energéticas e banca poupam milhões em benefícios fiscais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião