Conheça as suas finanças como a palma da mão com estas cinco apps

Gerir as finanças pessoais e ainda conseguir poupar no final do mês pode ser uma verdadeira odisseia. O ECO selecionou cinco aplicações que prometem ajudá-lo a ter as suas finanças debaixo de olho.

Quando o assunto é poupança, as dificuldades e os entraves não tardam a surgir. Com tantas entradas e saídas de dinheiro das contas bancárias, pode tornar-se difícil gerir os gastos e saber o que se está realmente a poupar ao final do mês. Mas há aplicações que prometem ajudá-lo nesta odisseia, para que poupar não seja nenhum “bicho de sete cabeças”.

apps para todos os gostos, preços e sistemas operativos. O ECO selecionou cinco aplicações de finanças pessoais que prometem ajudá-lo a ter o seu património sempre debaixo de olho.

1. Mint

É considerada por vários especialistas uma das melhores apps de finanças pessoais. A Mint é daquelas que reúne todos os registos num só lugar, ajudando o utilizador a controlar e registar os gastos pessoais, ficando mais consciente das compras e dos pagamentos que faz diariamente.

É, também, possível sincronizar as contas bancárias e os cartões de crédito, assim como as contas mensais, de modo a ter tudo bem organizado numa única aplicação.

Preço: Grátis | Sistemas: Android e iOS

2. Money Lover

A Money Lover apresenta-se como a solução “tudo em um”. O objetivo da app passa por assegurar que os utilizadores têm uma vida financeiramente mais segura. Para isso, a aplicação permite gerir despesas, criar orçamentos, manter debaixo de olho as poupanças e, até mesmo, as faturas, para que não se esqueça para onde é que o dinheiro vai. Pode gravar e agendar transações, planear um orçamento e pensar nas despesas que consegue cortar.

Além disso, pode ativar as notificações para ser avisado quando um orçamento atingir o limite estabelecido, bem como criar objetivos de poupança realizáveis, uma espécie de mealheiro programado. Tudo isto pode ser usado no seu dispositivo móvel (smartphone, tablet ou smartwatch) ou — e esta é a grande novidade da app — no seu computador.

Preço: Grátis | Sistemas: Android, iOS e Windows Phone

3. Toshl Finance

“De todas as aplicações para monitorizar as despesas, uma das mais difíceis de bater é a Toshl Finance.” Foi assim que o The New York Times (acesso pago, conteúdo em inglês) descreveu a aplicação. Os tutoriais que explicam como tudo funciona e a linguagem simplificada jogam a favor desta app, bem como a possibilidade de adaptação às diferentes moedas do mercado (incluindo também as moedas digitais).

A Toshl Finance permite, não só o registo de gastos, como a associação de movimentos a uma localização no mapa. Além disso, apresenta-lhe gráficos organizados que lhe dão uma visão geral do fluxo mensal do seu dinheiro e que lhe dizem quanto é que lhe sobra para gastar este mês, dentro dos limites do orçamento que estipula previamente.

Preço: Grátis | Sistemas: Android e iOS

4. Meu orçamento

Nesta aplicação poderá criar vários orçamentos e definir objetivos para vários períodos. Pode, por exemplo, criar um limite mensal de abastecimento de combustível ou um limite semanal de compras. Os gráficos estilo pizza revelam qual é a fatia de maiores gastos, categorizando todas as entradas e saídas de dinheiro com tópicos (roupa, móveis, carro, entre outros).

Há, ainda, a possibilidade de realizar simulações de gastos e previsões para o mês seguinte, a partir de gastos futuros fixos.

Preço: Grátis | Sistemas: Android e iOS

5. Mobilis

Se é daqueles que volta e meia faz uma viagem, esta pode ser a aplicação certa para si. Além das características mais comuns entre as aplicações de finanças pessoais, a Mobilis permite ativar o “Modo de Viagem”, o que faz com que todas as suas despesas passem a ser agrupadas, automaticamente, numa única categoria. Assim, depois de regressar, saberá exatamente o que gastou enquanto esteve a viajar e quais as despesas que não estão relacionadas com a viagem.

Preço: Grátis | Sistemas: Android, iOS e Windows Phone

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conheça as suas finanças como a palma da mão com estas cinco apps

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião