Web Summit: Associação prevê ocupação próxima dos 100% nos hotéis de Lisboa

  • Lusa
  • 2 Novembro 2018

De acordo com a AHRESP, este ano, o número de hóspedes deverá aumentar 12,4%, registando um maior crescimento entre os hóspedes estrangeiros.

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) estimou esta sexta-feira uma “ocupação próxima dos 100%” nos estabelecimentos de Lisboa na próxima semana, devido à realização da cimeira de tecnologia Web Summit, o que se deverá refletir nos preços.

“Prevê-se que os hotéis da cidade de Lisboa possam fechar com uma ocupação muito próxima dos 100% naquela semana [a próxima] e o preço naturalmente irá ajustar-se”, indica a AHP numa resposta escrita enviada à agência Lusa a propósito da terceira edição da Web Summit na capital portuguesa, que decorre de entre os dias 5 e 8 de novembro.

Segundo esta entidade, nas duas edições anteriores, “há a registar que os participantes ficaram na hotelaria da cidade, mas também em toda a região de Lisboa”. “Outras formas de alojamento também foram bastante procuradas, sobretudo pelos participantes mais jovens”, acrescentou.

Um inquérito da AHP feito no ano passado revela que, durante o evento em 2017, “a taxa de ocupação hoteleira na cidade de Lisboa fixou-se nos 92% e o preço médio nos 141 euros, enquanto na região de Lisboa a taxa de ocupação foi de 88% e o preço médio de 128 euros”.

Lembrando que nesta edição são esperados mais de 70 mil participantes de 170 países, a AHP refere que isso “naturalmente vai ter impacto no turismo e na hotelaria”, realçando que “o impacto de ter a Web Summit em Portugal ultrapassa, e muito, a esfera da hotelaria”.

“O posicionamento de Lisboa e de Portugal na captação de eventos desta natureza, que traçam tendências e abrem o caminho para o futuro, tem um enorme impacto na comunicação e traz ao nosso país notoriedade, além de milhares de empresas e investidores”, adiantou.

Por seu lado, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) prevê que os participantes na Web Summit gastem mais de 61 milhões de euros nos quatro dias da conferência internacional de tecnologia.

Este valor resulta de um gasto médio diário de 220 euros por participante, dos quais 120 euros em alojamento e 50 euros em “restauração e animação”.

Ainda de acordo com a AHRESP, o número de hóspedes deve aumentar 12,4% este ano, com o registo de maior crescimento entre os hóspedes estrangeiros (+18%). As dormidas deverão subir, na comparação homóloga, 13,5%, com o mercado externo a contribuir com um aumento de 17,3%.

Entretanto, através da sua conta oficial na rede social Twitter, o presidente executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, estimou que os bilhetes do evento esgotem esta noite. Também através daquela plataforma, o responsável referiu que “a banda larga da Web Summit este ano será de 50GB por segundo”, havendo ainda “dezenas de quilómetros de cabos de fibra ótica e quase mil pontos de acesso”. Segundo Paddy Cosgrave, a organização vai ainda colocar wi-fi nas zonas onde decorrem as iniciativas paralelas, nomeadamente as atividades de convívio noturno Night Summit.

A poucos dias da cimeira de tecnologia Web Summit, a organização informou esperar que esta seja “a maior e a melhor” edição de sempre. A edição deste ano realiza-se entre segunda-feira e quinta-feira, no Altice Arena e na FIL, no Parque das Nações.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa, devendo permanecer na capital portuguesa até 2028.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Web Summit: Associação prevê ocupação próxima dos 100% nos hotéis de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião