Republicanos perdem Câmara, mas reforçam maioria no Senado

  • Lusa e ECO
  • 7 Novembro 2018

Donald Trump classifica os resultados das intercalares como "tremendo sucesso" depois de manter o controlo do Senado. Já os democratas conquistaram a maioria dos lugares na Câmara dos Representantes.

Os republicanos vão manter o controlo do Senado por mais dois anos, um resultado classificado como “tremendo sucesso” pelo Presidente norte-americano e que contraria as expetativas dos democratas de uma onda anti-Trump que lhes garantisse uma maioria.

O resultado ficou praticamente garantido quando o republicano Kevin Cramer derrotou a senadora democrata de Dakota do Norte, Heidi Heitkamp, e quando o empresário republicano Mike Braun derrotou o senador Joe Donnelly em Indiana.

Outro dos resultados importantes foi quando o senador republicano Ted Cruz derrotou Beto O’Rourke, estrela emergente do Partido Democrata, e foi reeleito pelo estado do Texas. Já na Flórida, com o republicano Ron DeSantis a ser reeleito Florida, derrotando o democrata Andrew Gillum.

os democratas conquistaram a maioria dos lugares na Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso), cujo controlo pertencia aos republicanos. Esta maioria permite aos democratas investigar alguns assuntos sensíveis, como os esquemas fiscais duvidosos de Trump e possíveis conflitos de interesse. Também ganham poder para fazer recuar algumas políticas propostas pelo Presidente, como o muro na fronteira com o México.

Resultados das eleições para a Câmara dos Representantes até ao momentoGoogle

Uma maioria na Câmara é suficiente para um impeachment, no caso de existirem provas de obstrução de justiça ou de colusão com a Rússia na campanha de 2016. Mas o Congresso não podia removê-lo do cargo sem uma maioria de dois terços no Senado.

O presidente Donald Trump telefonou à líder dos democratas na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, para a felicitar pela vitória do seu partido naquele órgão do Congresso norte-americano.

Numa curta publicação na rede social Twitter, Trump considerou os resultados destas eleições como “um imenso sucesso”, agradecendo a todos o apoio dado às candidaturas republicanas.

O líder norte-americano acrescentou ainda dois tweets com uma citação de Ben Stein a elogiá-lo, onde se refere que “só houve cinco vezes nos últimos 105 anos que um Presidente incumbente ganhou lugares no Senado, no ano em que não vai a eleições”. O comentador político apelida Trump de “o homem mágico”.

Nas eleições intercalares estiveram em causa a escolha de 435 lugares na Câmara dos Representantes e 35 lugares no Senado. Dos lugares no Senado que não foram a votos esta terça-feira, 23 são dos Democratas (que precisavam de ganhar 28 dos 35 lugares para ter a maioria) e 42 pertencem aos Republicanos.

Resultado das eleições para o Senado até ao momentoGoogle

Para além disso, 36 dos 50 estados federais votaram para eleger os seus governadores e há houve eleições a nível municipal. É também neste sufrágio que são decididos vários cargos públicos, bem como uma série de iniciativas legislativas.

Os democratas tinham o conjunto de candidatos mais diverso na história do país. Rashida Tlaib e Ilhan Omar foram as primeiras mulheres muçulmanas eleitas para o Congresso norte-americano, e foi também quebrado o recorde de mais mulheres a servir na Câmara ao mesmo tempo, sendo que serão cerca de 100.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Republicanos perdem Câmara, mas reforçam maioria no Senado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião