Ivo Rosa permite que Sócrates guarde quadros apreendidos

As obras de arte apreendidas no âmbito da Operação Marquês poderão voltar ao ex-primeiro-ministro, segundo despacho de Ivo Rosa. Sócrates terá agora cinco dias para decidir se quer guardá-las.

José Sócrates poderá ter de volta as obras de arte que lhe foram apreendidas na altura da sua detenção, avaliadas em quase 200 mil euros, avança o jornal Observador. Ivo Rosa, juiz de instrução da Operação Marquês, deu permissão ao ex-primeiro-ministro para guardar os quadros na condição de fiel depositário, até ao final do processo, no despacho de abertura de instrução.

Foi o próprio Ministério Público que propôs devolver as obras, ainda antes de o processo ter sido sorteado para instrução. O procurador Rosário Teixeira pedia ao futuro juiz de instrução uma posição sobre o destino dos quadros, referindo que José Sócrates poderia ser fiel depositário, isto é, poderia guardar as obras até a decisão do processo.

Em torno das obras, que Sócrates alega não serem todas suas e que foram compradas por Carlos Santos Silva, também arguido do processo, falta perceber se foram adquiridas com dinheiro de contas da Suíça, cuja origem as autoridades acreditam serem de crimes de corrupção.

O ex-primeiro-ministro terá agora cinco dias para se pronunciar sobre se concorda ou não com a guarda das obras, depois de Ivo Rosa ter aceitado notificá-lo. O juiz também acedeu a outro pedido do Ministério Público, nomeadamente na recusa em arrolar o juiz Carlos Alexandre como testemunha, como pedido pelas defesas de Sócrates e de Armando Vara, no requerimento de abertura de instrução.

No despacho de abertura de instrução deste megaprocesso, o juiz marcou já as primeiras datas para ouvir as testemunhas. A primeira testemunha a ser ouvida será o arguido Armando Vara, arrolado como testemunha da própria filha que também é arguida no processo, Bárbara Vara, a 29 de novembro deste ano de 2018. As restantes inquirições estão marcadas para arrancar em janeiro do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ivo Rosa permite que Sócrates guarde quadros apreendidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião