China pede uma economia mundial aberta

  • Guilherme Monteiro
  • 12 Novembro 2018

Primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, diz que a China não mais vai fechar a porta da economia ao mundo.

A China vai abrir ainda mais a economia. A garantia foi deixada, esta segunda-feira, pelo primeiro-ministro chinês à chegada a Singapura para um encontro da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), onde os líderes governamentais estão a trabalhar num novo pacto comercial.

Sem se referir diretamente à guerra comercial entre os Estados Unidos, citado pela Reuters, o dirigente chinês disse que agora que a “China abriu a porta ao mundo; nós nunca a vamos fechar, mas vamos abri-la ainda mais”.

"China abriu a porta para o mundo; nós nunca a vamos fechar, mas vamos abri-la ainda mais.”

Li Keqiang

Primeiro-ministro da China

Declarações que surgem numa altura em que ainda se mantém a guerra comercial com os Estados Unidos. O Presidente norte-americano tem considerado injustos vários acordos comerciais multilaterais. Trump acusou ainda a China de roubo de propriedade intelectual, criticou o país por imposição de barreiras à entrada de empresas norte-americanas e por ter um escasso défice comercial.

O Presidente dos Estados Unidos vai estar ausente do encontro de líderes da Ásia-Pacífico, mas é representado pelo vice-presidente norte-americano, Mike Pence, nas reuniões onde também vai marcar presença o Presidente russo, Vladimir Putin. O que não se sabe ainda é se Pence e o primeiro-ministro chinês se vão reunir à margem das reuniões da ASEAN. A acontecer será uma reunião antes do encontro entre Donald Trump e o Presidente da China, Xi Jinping, marcado para o final de novembro, em Buenos Aires, na Argentina, durante a Cimeira do G20.

As duas potências enfrentam, desde julho, uma intensa guerra comercial que já se traduziu na imposição mútua de taxas alfandegárias de biliões de dólares. As divergências tiveram início depois de Donald Trump ter imposto taxas alfandegárias adicionais de 25% sobre um conjunto de produtos chineses.

A reunião entre os dois Chefes de Estado poderá, assim, permitir para atenuar a tensão e reativar os laços comerciais entre os dois países.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China pede uma economia mundial aberta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião